Turismo & Lazer Sweet Inn traz mais 15 alojamentos locais de “luxo” a Lisboa

Sweet Inn traz mais 15 alojamentos locais de “luxo” a Lisboa

A plataforma franco-israelita já tem 43 apartamentos de alojamento local em Lisboa e prepara-se para juntar outros 15 até ao final do ano. O responsável em Portugal, Daniel Bento, pede mais fiscalização ao sector para acabar com os ilegais.
Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro Armando Jorge Mota Ribeiro
Wilson Ledo 09 de outubro de 2017 às 16:26

A plataforma de alojamento local Sweet Inn prepara-se para reforçar a sua oferta em Lisboa com 15 novos apartamentos, destinados a um segmento superior ou de "luxo", até ao final de 2017.

A plataforma franco-israelita chegou a Portugal em 2015 e conta já com 43 apartamentos em Lisboa. Os mesmos encontram-se situados sobretudo no eixo do Marquês de Pombal até ao Rio Tejo, estendendo-se também para Santos e Alfama.


"Noventa por cento dos turistas quer ficar no miolo da cidade", justifica o responsável em Portugal, Daniel Bento. Os preços variam entre os 70 e os 300 euros por noite. O valor nos novos apartamentos será superior, tendo em conta o público "superior" a que se destinam.


A Sweet Inn disponibiliza ainda serviços de transporte a partir do aeroporto ou pequenos-almoços. A maioria dos seus clientes são franceses, ingleses e do Norte da Europa. Os turistas brasileiros representam 15% do total, na sequência de parcerias que têm vindo a ser estabelecidas.


A plataforma arrenda os apartamentos aos proprietários e só depois os disponibiliza como alojamento local, responsabilizando-se pela sua gestão. Daniel Bento reconhece que tem enfrentado dificuldades em encontrar imóveis disponíveis na capital.


"Há um cepticismo muito grande do proprietário para fazer um arrendamento, para ser sub-arrendado", admite. Contudo, a situação tem vindo a ser invertida com a propagação de recomendações entre proprietários.


Perante as polémicas que o alojamento local tem desencadeado, o responsável defende uma maior fiscalização "para haver menos problemas", referindo-se aos espaços em situação ilegal. Também o relacionamento com os vizinhos está salvaguardado no caso da Sweet Inn. "Metade dos vizinhos dos 43 apartamentos tem o meu número de telefone", explica.


A Sweet Inn não tem, para já, planos para novas cidades em Portugal. "O Porto é o próximo destino, de certeza absoluta", antevê Daniel Bento ao Negócios.


Além de Lisboa, a plataforma tem espaços disponíveis em Tel Aviv, Bruxelas, Jerusalém, Paris, Roma e Barcelona. Há estreias previstas para Milão, Londres e Madrid.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 10.10.2017

PUT*A de PRAGA.....

Hoteis, hostels, albergues, residênciais, alojamento local, pensões, pousadas....

Já enoja!

Yalioblio 09.10.2017

Vem aí a bolha, vem...e não é pequena.

pub