Tecnologias Symantec diz que Coreia do Norte pode estar por detrás dos ciberataques

Symantec diz que Coreia do Norte pode estar por detrás dos ciberataques

Há linhas comuns entre os ataques deste mês a mais de 150 países e os que visaram a Sony em 2014, apontam companhias de segurança informática. A Coreia do Norte desmente envolvimento e fala em "campanha suja".
Symantec diz que Coreia do Norte pode estar por detrás dos ciberataques
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 23 de maio de 2017 às 09:19
A empresa de segurança informática Symantec considera que piratas informáticos oriundos da Coreia do Norte estarão, com grande probabilidade, por detrás do ataque com o software malicioso WannaCry, que este mês infectou mais de 300 mil computadores em mais de 150 países. 

O código detectado pelos investigadores da empresa nos ataques é comum ao usado em actividades anteriores de grupos com ligações àquele país asiático, refere a Reuters. A ligação à internet usada para instalar a versão actualizada do WannaCry é também a mesma que terá sido usada num ataque que destruiu ficheiros da Sony Pictures Entertainment em 2014, atribuídos ao grupo Lazarus, que poderá estar sediado na Coreia do Norte.

A empresa de segurança tecnológica refere contudo que o grupo não estará a trabalhar para o governo de Pyongyang, já que foram detectadas falhas no código do próprio software e foi pedido resgate em bitcoin, o que denota necessidades de financiamento das actividades. 

Outra companhia de segurança informática, a Kaspersky, disse ter encontrado semelhanças entre o software utilizado nos ataques recentes e noutros perpetrados pelo Lazarus, mas salvaguarda que as provas são inconclusivas.

O regime norte-coreano continua a desmentir quaisquer ligações ao ataque que infectou empresas de transportes, de telecomunicações e serviços de saúde entre outros, apelidando-a de "campanha desprezível e suja."



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.05.2017

Pois, pois........ Não fosse a Symantec uma empresa americana...
Engraçado porque os EUA foram dos países que praticamente passaram imunes ao ataque.
São conhecidíssimas as técnicas da NSA em efetuar ataques com "assinaturas" de outros Estados/grupos de forma a incriminá-los.

Saber mais e Alertas
pub