Automóvel Takata alarga recolha de airbags a mais 2,7 milhões de veículos

Takata alarga recolha de airbags a mais 2,7 milhões de veículos

A empresa japonesa acrescentou àquela que era já a maior recolha de automóveis da história 2,7 milhões de veículos das marcas Ford, Mazda e Nissan, produzidos para o mercado norte-americano.
Takata alarga recolha de airbags a mais 2,7 milhões de veículos
Reuters
Negócios 12 de julho de 2017 às 13:18

Na passada terça-feira a fabricante japonesa de sistemas airbag divulgou um alerta para a recolha de 2,7 milhões de veículos das marcas Ford, Nissan e Mazda produzidos para o mercado dos Estados Unidos.

 

Em causa está uma vez mais um defeito no airbag, desta feita num novo sistema utilizado pela empresa nipónica que, recentemente, pediu insolvência.

 

Aquelas três marcas de automóveis instalaram estes sistemas de segurança em veículos comercializados no mercado norte-americano e que foram vendidos entre 2005 e 2012, segundo informa a própria Takata citada pela CBS.

 

Este novo pedido de recolha soma-se aos já 70 milhões de airbags defeituosos identificados em 42 milhões de veículos e que, por si só, já constituíam a maior recolha de sempre de automóveis. Os problemas foram inicialmente identificados a partir de 2008. De acordo com a Takata, nos Estados Unidos já foram substituídos os airbags de cerca de 17 milhões de veículos.

 

Por outro lado, a nova recolha deverá significar o aumento da dívida que até aqui se fixava em cerca de 15 mil milhões de dólares, razão que levou a empresa japonesa a pedir insolvência.

 

Há pelo menos 17 mortes directamente relacionadas com o insuflar de airbags da Takata, 12 nos Estados Unidos. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub