Automóvel Takata pode pagar mil milhões para fechar caso dos airbags nos EUA

Takata pode pagar mil milhões para fechar caso dos airbags nos EUA

A explosão acidental dos dispositivos, quando submetidos a circunstâncias específicas de temperatura e humidade, terá causado a morte de 11 pessoas e ferimentos noutras 184 no mercado norte-americano.
Takata pode pagar mil milhões para fechar caso dos airbags nos EUA
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 28 de Dezembro de 2016 às 18:59

A Takata está próxima de fechar um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para pôr fim a acusações de comportamento criminal relacionado com o funcionamento defeituoso de airbags produzidos pelo fabricante japonês de componentes automóveis.

Segundo o Wall Street Journal, o acordo – a firmar até Janeiro - deverá implicar o pagamento de até mil milhões de dólares (961 milhões de euros à cotação actual), devendo a empresa assumir-se como culpada no caso dos infladores defeituosos.


A explosão acidental dos dispositivos – em determinadas circunstâncias de temperatura e humidade – terá sido a causa da morte de 11 pessoas e de ferimentos noutras 184 nos EUA.


O valor a entregar deverá ser dividido em tranches, com um primeiro pagamento à cabeça e os seguintes feitos de forma faseada ao longo de vários anos.


A Takata não quis comentar a notícia e não foi possível contactar o Departamento de Justiça norte-americano.

Só nos EUA há 19 fabricantes automóveis que já ordenaram operações de recolha dos seus veículos equipados com airbags defeituosos, num universo que chega a 42 milhões de viaturas e que constitui assim a maior operação de "recall" realizada no país.

No total, de entre os airbags produzidos pela Takata, estima-se que cerca de 70 milhões apresentem deficiências que podem levar à sua explosão acidental.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub