Start-ups Talkdesk pretende contratar mais uma centena e há vagas em Portugal

Talkdesk pretende contratar mais uma centena e há vagas em Portugal

A start-up Talkdesk, que cria soluções de software para call centers baseadas em cloud, já contratou uma centena de trabalhadores e “planeia continuar a reforçar estas áreas, com a contratação de mais 100 talentos nos próximos meses”. Há vagas para Portugal.
Talkdesk pretende contratar mais uma centena e há vagas em Portugal
Ana Laranjeiro 23 de outubro de 2017 às 15:28

A Talkdesk, uma empresa portuguesa fundada por Cristina Fonseca e Tiago Paiva e que se dedica ao desenvolvimento de soluções de software para call centers baseadas em cloud, vai voltar a contratar nos próximos meses.

A empresa tinha como objectivo contratar uma centena de colaboradores ao longo deste ano. Esse objectivo já foi alcançado e a empresa quer voltar a recrutar, havendo vagas para Portugal. "Dado o seu crescimento de negócio e expansão de operações, a Talkdesk planeia continuar a reforçar estas áreas [engenharia, vendas, gestão de produto e user experience.], com a contratação de mais 100 talentos nos próximos meses, pretendendo chegar às 1.000 contratações até 2020", refere o comunicado enviado às redacções.

"A empresa está também activamente a trabalhar no recrutamento em Portugal de profissionais com experiência e competências muito específicas, e na deslocalização de engenheiros de software de mercados internacionais que vêem com muito interesse a possibilidade de continuar as suas carreiras no nosso país", acrescenta o comunicado.


Na página onde os candidatos podem candidatar-se há várias vagas abertas, incluindo para Portugal.


Marco Costa, director-geral da Talkdesk em EMEA, em comunicado, refere que "a Talkdesk, nos últimos anos, criou disrupção no mercado mundial de software para contact centers através do lançamento de vários produtos desenvolvidos pela nossa engenharia baseada em Portugal".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar