Aviação TAP acorda “code-share” com chineses

TAP acorda “code-share” com chineses

A TAP vai partilhar códigos com a Beijing Capital Airlines, que fará a primeira ligação entre Portugal e a China já este mês de Julho. Aproveitar as redes das duas companhias para lá de Lisboa e Pequim é o objectivo.
TAP acorda “code-share” com chineses
Mariline Alves/Correio da Manhã
Wilson Ledo 04 de julho de 2017 às 15:35

As companhias aéreas TAP e Beijing Capital Airlines têm a partir desta terça-feira, 4 de Julho, um acordo de partilha de código, ou "code-share" na gíria aeronáutica.

O acordo, que facilita o processo de reserva e estabelece parcerias nas ligações a outros destinos das respectivas redes, chega a tempo da primeira ligação aérea directa entre Portugal e China, que arranca a 26 de Julho, operada pela Beijing Capital Airlines


Os clientes da TAP poderão viajar entre Lisboa e Pequim e, a partir daquela cidade chinesa, chegar a outras localizações do grupo Hainan Airlines (HNA), dono da Beijing Capital Airlines. Xangai, Hong Kong ou Macau são três dos exemplos.


Em sentido inverso, os passageiros que cheguem a Lisboa poderão aproveitar para seguir para outro dos destinos da rede da TAP no mercado africano, brasileiro e europeu.


Numa primeira fase, informou a companhia, vão estar disponíveis voos de ligação a Casablanca. A intenção é de que, em breve, esta opção chegue também ao Porto, Faro, Funchal e Madrid.


Outra das vontades passa por criar pontes entre os programas de fidelização Victoria, da portuguesa TAP, e Fortunate Wings Club.


Numa entrevista ao Negócios, em Abril passado, a responsável da Beijing Capital Airlines para o mercado português dava como certa uma parceria com a TAP. "A TAP será uma boa parceira. Podemos ter código partilhado em alguns voos", afirmou Coral Chen.


A Beijing Capital Airlines e a TAP têm em comum o grupo HNA. Este é accionista da companhia chinesa e subscreveu obrigações convertíveis em acções da TAP, através da Azul de David Neeleman, com o objectivo de entrar depois no capital do consórcio Atlantic Gateway que a lidera.


Em 2016, a China representou 183 mil turistas para Portugal.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub