Aviação TAP só pode ser vendida em bolsa quando valer 1.200 milhões

TAP só pode ser vendida em bolsa quando valer 1.200 milhões

O acordo entre o Estado e os privados, que será concretizado no próximo ano, com a transferência de acções, dita as condições para alterações na estrutura accionista da companhia aérea, segundo o Público desta segunda-feira, 21 de Novembro.
TAP só pode ser vendida em bolsa quando valer 1.200 milhões
Negócios 21 de Novembro de 2016 às 09:29

As acções da TAP só podem ser vendidas em bolsa quando a companhia aérea valer 1,2 mil milhões de euros, segundo um dos pontos mais importantes do acordo que o Estado assinou com o consórcio Atlantic Gateway, adianta o Público.


Este documento passará a vigorar quando a estrutura accionista da empresa for reconfigurada, com a passagem de 50% do capital para o Estado, sendo que a meta dos 1,2 mil milhões foi um ponto decisivo na negociação. Além disso, as estimativas foram feitas a cinco ou seis anos o que significa que só nessa altura é que poderá avançar uma venda em bolsa, desde que o Estado não perca a sua posição de 50% no capital da companhia aérea de bandeira.


A avaliação de 1,2 mil milhões foi executada com base na previsão do EBITDA que deverá ficar próximo de 600 milhões entre 2020 e 2021. Quando estas metas forem atingidas não só será possível a venda em bolsa, mas também a alienação directa de acções a terceiros ou um aumento de capital. Será com estas operações que os privados esperam ser recompensados pelo investimento feito até agora na TAP.


E é por isso, explica o Público, que a repartição dos direitos económicos é mais favorável à Atlantic Gateway do que ao Estado.

Os privados contam com benefícios relativos ao dinheiro que for gerado para remunerar os accionistas através de dividendos ou da venda de activos e acções de 81,25% e o Estado de 18,75%, apesar de ter 50% da empresa.   




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub