Aviação TAP vai vender participação nas lojas francas de Portugal

TAP vai vender participação nas lojas francas de Portugal

A companhia aérea vai vender a posição de 51% na empresa que detém 29 lojas nos aeroportos nacionais à Vinci Airports, num negócio que prevê seja concluído durante o primeiro trimestre de 2017.
TAP vai vender participação nas lojas francas de Portugal
DR
Negócios 14 de Novembro de 2016 às 11:44

A TAP, a Vinci Airports (que detém a ANA) e a Dufry chegaram a um acordo para a realização de um negócio que envolve a venda da Lojas Francas de Portugal (LFP), no âmbito do qual a companhia aérea vai vender a posição accionista de 51% que detém naquela empresa ao grupo francês. Já a Dufry vai manter a participação de 49% que já detém.

Em comunicado, a TAP, que recorda a que a concessão por parte da ANA Aeroportos de Portugal das licenças da LFP poderá ser rescindida em 2017, afirma que este acordo "reforça os negócios da LFP e protege os seus interesses, bem como o dos seus trabalhadores" .

"A LFP vai prosseguir a sua relação comercial com a TAP", afirma ainda a companhia aérea, assinalando que no que respeita aos contratos de concessão para exploração das lojas duty-free e outras operadas sob a marca Nuance, pertencente ao Dufry Group, não haverá alterações respeitantes à continuação da operação.

No comunicado, a companhia aérea diz ainda que a concretização das negociações está sujeita a, entre outros, um processo de due diligence que agora se abre, e à aprovação por parte das autoridades da concorrência. A conclusão do negócio deverá estar fechada durante o primeiro trimestre de 2017.

A LFP foi fundada em 1995, emprega cerca de 400 trabalhadores e está presente em cinco aeroportos (Lisboa, Porto, Faro, Madeira e Açores) com 29 lojas, servindo também o programa de vendas a bordo da TAP.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub