Agricultura e Pescas TEC4Sea: Uma plataforma de 5,3 milhões para potenciar a economia do mar

TEC4Sea: Uma plataforma de 5,3 milhões para potenciar a economia do mar

Criado pelo INES TEC e pelo CINTAL, o TEC4SEA é uma plataforma para investigação, desenvolvimento, testes e validação de tecnologias, com o objectivo de impulsionar a economia do mar.
TEC4Sea: Uma plataforma de 5,3 milhões para potenciar a economia do mar
TEC4SEA
Negócios 31 de maio de 2017 às 11:38

O Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e o Centro de Investigação Tecnológica do Algarve (CINTAL) anunciaram o lançamento do TEC4SEA, uma plataforma para investigação, desenvolvimento, testes e validação de tecnologias para potenciar a economia do mar.

 

Em comunicado, estes organismos explicam que o TEC4SEA tem diversos laboratórios por todo o país, que têm como objectivo desenvolver tecnologias para o mar, capacitar as empresas e formar recursos altamente qualificados. O investimento total é de 5,3 milhões de euros.

 

De acordo com os responsáveis do projecto, muitas empresas vão poder beneficiar desta plataforma tecnológica.

 

"Por um lado, as indústrias tradicionais, tais como a pesca e a aquacultura, do processamento do pescado, transportes, construção e reparação naval e portos. Por outro, as indústrias emergentes, nomeadamente mineração do fundo marinho, oil & gas de mar profundo e ultra profundo, energia renovável offshore, aquacultura offshore, biotecnologia, vigilância e segurança marítima", enumera Augustin Olivier, um dos responsáveis do TEC4SEA, citado no comunicado.

 

Os objectivos estabelecidos para as indústrias tradicionais passam por aumentar a competitividade das empresas que actuam nestes sectores. No caso das indústrias emergentes, o TEC4SEA quer facilitar a capacitação tecnológica das empresas.

 

"Esta infraestrutura é uma mais-valia para as empresas, na medida em que lhes dá suporte logístico, técnico e humano ao longo do processo de desenvolvimento, teste e validação e agiliza a transferência de tecnologia para o mercado", refere o responsável. 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bernardo Há 3 semanas

Deve ser o país da UE onde se desperdiça mais dinheiro sem contrapartida. Estes 5 milhões não criam 1 cêntimo de riqueza.

pub