Empresas Tecnologias, reciclagem e enchidos portugueses invadem o México

Tecnologias, reciclagem e enchidos portugueses invadem o México

Nos próximos 12 meses, a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana vai levar 32 empresas portuguesas ao México em busca de novos negócios neste país. As primeiras oito, incluindo uma distribuidora de vinhos, azeites, queijos e enchidos, vão andar por lá na próxima semana.
Tecnologias, reciclagem e enchidos portugueses invadem o México
Rui Neves 20 de novembro de 2017 às 13:21

A Bizdocs, cuja plataforma de gestão documental já está ao serviço do Banco da Colômbia, a Ricardo & Barbosa (máquinas industriais de alta precisão) e a IT Peers ("softwares" de gestão e de protecção de dados), ambas com negócios no mercado mexicano, são três das oito empresas que partem para o México no próximo domingo, 26 de Novembro, no âmbito de mais uma missão empresarial concebida e liderada pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana (CCILM).

 

A par das tecnologias de informação e do sector automóvel, as máquinas industriais, a reciclagem e o agro-alimentar "são as novas estrelas" da próxima missão empresarial promovida pela CCIM.

 

Além da Bizdocs, Ricardo & Barbosa e da IT Peers, marcarão presença a Recicla 2000 (reciclagem de metais), a Hidráulica CLS (sistemas industriais), a Moldetipo (moldes para o sector automóvel), a Trim NW (tecidos para o sector automóvel) e a Venia Foods (distribuidor de vinhos, azeites, queijos e enchidos).

 

"Estamos neste momento a trabalhar com 32 empresas de 13 sectores industriais diferentes que pretendem iniciar ou continuar ligações ao mercado mexicano", afirma Miguel Gomes da Costa, presidente da CCILM.

 

"Continuamos a ter uma presença significativa de empresas das tecnologias de informação e do sector automóvel, até porque algumas já têm negócios e fornecimentos em curso no México. Mas, felizmente, estamos a alargar muito o leque dos sectores em que as empresas portuguesas estão a estabelecer negócios", sublinha o mesmo responsável.

 

As oito empresas que irão agora ao México vão ter programas muito diferentes. Umas passarão a maior parte do seu tempo na Cidade do México; outras irão para nordeste, para o eixo Monterrey - Saltillo; e outras para o centro do país, na zona de Querétaro - Aguascalientes. "São programas distintos, muito dirigidos aos interesses específicos de cada participante", nota Miguel Gomes da Costa.

 

O grupo das 32 irão também receber, em Março do próximo ano, a visita de empresas mexicanas em Portugal. "Serão empresas que, maioritariamente, virão à procura de fornecedores em Portugal", afirma o presidente da CCILM, adiantando que "algumas delas já manifestaram o seu desejo de encontrar parceiros em Portugal para realizarem investimentos directos no nosso país".

 

Segundo Miguel Gomes da Costa, tanto as políticas proteccionistas de Donald Trump estão a afastar o México do comércio com os Estados Unidos, como as negociações entre o México e a União Europeia para a actualização do acordo comercial existente "irão criar, para os anos seguintes, condições ainda mais atractivas para negócios do que as actuais".

 

"Os governantes e empresários mexicanos não se cansam de declarar o seu empenho em fazer mais negócios com a Europa e, muito em particular, com Portugal", garante Miguel Gomes da Costa, que afiança que "as experiências de sucesso das empresas portuguesas que integraram as nossas missões confirmam isso mesmo". 




pub