Tecnologias Tecnológica Claranet entra no mercado brasileiro através da compra da CredibiliT

Tecnológica Claranet entra no mercado brasileiro através da compra da CredibiliT

A Claranet chegou a acordo para a compra da CredibiliT, o que permite à tecnológica entrar no Brasil, o primeiro mercado do fora da Europa, disse à Lusa o director-geral da Claranet Portugal.  
Tecnológica Claranet entra no mercado brasileiro através da compra da CredibiliT
Lusa 15 de Dezembro de 2016 às 09:43

"É o primeiro mercado fora da Europa", afirmou António Miguel Ferreira, adiantando que esta é "a 18.ª aquisição da Claranet nos últimos cinco anos", dos quais quatro em Portugal e agora o Brasil.

 

Em 2014, a Claranet adquiriu a portuguesa Echiron. Com esta nova compra, cujo valor não foi relevado, a Claranet cria ainda uma nova região, que inclui Portugal e América Latina.

 

António Miguel Ferreira adiantou que o presidente executivo da CredibiliT, que tem sede em São Paulo, vai passar a reportar à Claranet Portugal.

 

O responsável adiantou que desde Abril a tecnológica brasileira, que é fornecedora de serviços de 'cloud' [nuvem], já tinha sido identificada para esta operação, cuja conclusão do negócio foi agora concretizada.

 

"É uma empresa pequena que opera num nicho específico, que é a prestação de serviços na 'cloud'", acrescentou, uma área de aposta do grupo com grande potencial no mercado brasileiro.

 

"O mercado 'cloud' no Brasil vai duplicar até 2020" para cerca de seis mil milhões de dólares (cerca de 5,6 mil milhões de euros, à taxa de câmbio actual), adiantou.

 

A compra da empresa brasileira permite à Claranet reforçar a sua estratégia e a ambição de se tornar um fornecedor global reconhecido no mercado de 'managed hybrid cloud hosting'.

 

No Brasil, "queremos crescer a um ritmo superior ao mercado, mais que duplicar", explicou o director-geral.

 

Nesta primeira fase, o foco da Claranet é integrar a CredibiliT no grupo e, posteriormente, analisar outras oportunidades na América Latina, incluindo Brasil.

 

"Queremos crescer organicamente ou por via de aquisição", disse António Miguel Ferreira, salientando que a base do grupo na América Latina será no Brasil.

 

"A CredibiliT foi fundada em 2009 e rapidamente implementou uma estratégia de adopção de Cloud, tornando-se um respeitado fornecedor de serviços Cloud no Brasil, onde é uma de apenas duas empresas a deter o estatuto de Premier Consulting Partner da Amazon Web Services (AWS)", adiantou a Claranet em comunicado.

 

"Estamos muito entusiasmados por juntar forças com a Claranet. Fazer parte de um grande grupo com foco similar permite-nos ser mais fortes, ter escala, visibilidade, acesso a clientes e oportunidades maiores além de alta capacidade de investimento. Tendo recentemente celebrado o seu 20.º aniversário, a Claranet é um dos mais estabelecidos fornecedores na era da Internet e da 'cloud', mas manteve a sua agilidade, característica fundamental num mercado que está em constante crescimento e sob constante mudança", afirma o presidente executivo da CredibiliT, Daniel Galante, citado em comunicado.

 

Relativamente ao mercado português, o director-geral adiantou que a subsidiária portuguesa vai faturar 12 milhões de euros este ano, o que compara com cerca de 11 milhões de euros no ano passado.

 

Em 2013, a Claranet Portugal tinha facturado cinco milhões de euros.

 

"Continuamos a estudar o mercado [português] e estamos atentos a novas oportunidades", pelo que "é natural que no próximo ano venhamos a anunciar investimentos nesta área", concluiu o gestor.

 

Fundada em 1996, a Claranet, com sede em Inglaterra, tem receitas anuais de cerca de 250 milhões de euros, 5.800 clientes, 1.250 colaboradores e uma presença internacional em sete países, incluindo Portugal.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub