Banca & Finanças Teixeira dos Santos levou Vara para a CGD; Santos Ferreira para o BCP

Teixeira dos Santos levou Vara para a CGD; Santos Ferreira para o BCP

Carlos Santos Ferreira não sabe explicar por que motivo Armando Vara ficou com a área de participações financeiras na CGD, em 2005.
Teixeira dos Santos levou Vara para a CGD; Santos Ferreira para o BCP
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 19 de janeiro de 2017 às 21:43

Foi Fernando Teixeira dos Santos que convidou, em 2005, Armando Vara para a vice-presidência da Caixa Geral de Depósitos, acompanhando Carlos Santos Ferreira. Dois anos e meio depois, foi Santos Ferreira que consigo levou Vara para o Banco Comercial Português (BCP).

 

Os convites foram referidos na comissão parlamentar de inquérito à CGD por Santos Ferreira, que esteve à frente do banco público entre Agosto de 2005 e Dezembro de 2007. "Quer o Dr. Armando Vara quer o Dr. Francisco Bandeira foram indicados pelo Dr. Teixeira dos Santos".

 

Apesar de o convite partir do então ministro das Finanças, a distribuição de pelouros foi decidida pela presidente do banco. Aí, Vara ficou com a área das participações financeiras e do crédito (era o presidente do conselho de crédito). Mas sem que houvesse um motivo especial. 

 

Questionado pelo deputado centrista João Almeida, Santos Ferreira afirmou que não havia um "racional" para aquela distribuição de pelouros, havendo apenas a redistribuição dos pelouros deixados vagos pelos administradores que saíram com o seu antecessor, Vítor Martins. "Quer o Dr. Armando Vara quer o Dr. Francisco Bandeira assumiram os pelouros dos administradores que tinham saído".

 

"Para mim, um administrador, seja indicado pelo accionista ou por mim, esteja já na empresa ou não, a partir do momento em que integra a equipa que presido, para mim, são todos iguais", frisou.

 

Tanto Vara como Bandeira foram condenados por negligência pela CMVM em 2012 por terem tido conhecimento, e não terem travado, operações ilícitas na rede comercial da CGD entre 2005 e 2007. "Não gosto que tenha acontecido. Não gosto. O único comentário que tenho é a pena que tenha acontecido. Não é normal. É tão pouco normal serem administradores indicados pelo ministro das Finanças ou convidados por mim. Não é normal que haja condenações pela CMVM", frisou.

 

Contudo, Santos Ferreira não soube responder se, no início de 2008, quando foi para o BCP, já sabia destes factos. "Atrevo-me a dizer que não mas não tenho a certeza".

 

Isto porque, quando vai para o banco privado, Santos Ferreira vai com Armando Vara como um dos vice-presidentes (o outro era Paulo Macedo). O ex-líder da CGD contou aos deputados que foi o próprio que convidou Vara para o cargo.

 

Vara é um dos 20 arguidos na Operação Marquês, em que o empreendimento de Vale do Lobo é um dos casos investigados, que beneficiou de créditos da CGD. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
QUEM É QUE JULGA ? OS CRIMINOSOS OU OS TRIBUNAIS ? 21.01.2017

Senhora PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA, o crime não pode morrer solteiro, nem VARAS, SÓCRATES, CARLOS SANTOS FERREIRA, TEIXEIRA DOS SANTOS, empurrando a culpa de uns para os outros ou, em alternativa, tentando ilibar-se uns aos outros PODEM FUGIR À MÃO DURA, EFICIENTE e LINEAR DA JUSTIÇA..

Anónimo 19.01.2017

O antigo ministro deve ser exonerado porque foi incompetente . leiam o artigo de opinião do jornalista do expresso.

Anónimo 19.01.2017

Santos Ferreira e Armando vara devem ser investigados assim como todos quantos passaramanhã pela administração pública.
O povo exige urgencia

pub