Telecomunicações Telecom Avaya insolvente

Telecom Avaya insolvente

Com uma dívida de 6.000 milhões de euros e na iminência de falhar pagamentos, a norte-americana pediu protecção contra credores. Entretanto, assegurou um financiamento que vai garantir até dois meses de funcionamento.
Telecom Avaya insolvente
DR
Paulo Zacarias Gomes 19 de janeiro de 2017 às 18:56

A empresa norte-americana de telecomunicações Avaya apresentou esta quinta-feira, 19 de Janeiro, um pedido de protecção contra credores, propondo-se reestruturar a operação com a redução da actual dívida de 6.300 milhões de dólares (cerca de 6.000 milhões de euros à cotação actual) e a alienação de activos.

A reestruturação da companhia, conta a Reuters, tem estado a ser trabalhada com os credores mas não houve lugar a acordo. O entendimento teria de ser alcançado até ao final deste mês, sob pena de a empresa entrar, potencialmente, em default.

O pedido surge também depois de, no início do ano passado, a companhia ter tentado vender - sem sucesso - o seu negócio de centro de atendimento telefónico (call center) à Clayton, Dubilier & Rice, negócio que estava avaliado em 3.750 milhões de euros.
 

Os próximos 45 a 60 dias de funcionamento da empresa, enquanto decorre parte do processo de reestruturação, deverão ser garantidos por um empréstimo de 725 milhões de dólares (681 milhões de euros) concedido pelo Citigroup, refere um comunicado publicado pela empresa.

 

A pesar nas contas da empresa está um empréstimo de 8.200 milhões de dólares concedido em 2007 no âmbito da compra da empresa pela Silver Lake Partners e TPG Capital. O custo em juros (400 milhões por ano) tem levado a telecom a perdas consecutivas

No último trimestre fiscal do ano, terminado a 30 de Setembro, as receitas da empresa caíram para 958 milhões de dólares, contra mil milhões um ano antes. O resultado foi negativo em 750 milhões.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub