Telecomunicações Telecom Itália vai cortar 7 mil empregos

Telecom Itália vai cortar 7 mil empregos

A gigante italiana das telecomunicações pretende eliminar 14% da sua força de trabalho no mercado doméstico.
Telecom Itália vai cortar 7 mil empregos
reuters
Negócios com Bloomberg 09 de janeiro de 2018 às 20:45

A Telecom Itália está a considerar uma reestruturação profunda da sua força de trabalho, que contempla o corte de 7 mil empregos em Itália no espaço de três anos, noticia a Bloomberg.

 

Em causa está cerca de 14% da força de trabalho no seu mercado doméstico, no âmbito de um plano para tornar a operadora de telecomunicações mais rentável e eficiente.

 

A companhia liderada por Amos Genish já começou discussões informais com os sindicatos sobre este plano de corte de postos de trabalho que deverá passar por eliminar 4.000 empregos através de reformas antecipadas e 3.000 através de rescisões voluntárias.

 

A Telecom Itália, que tem na francesa Vivendi o maior accionista, pretende ainda rejuvenescer a sua força laboral através da contratação de 2.000 jovens, num esforço financeiro que será financiado através da redução de horário de trabalho a outros 3 mil trabalhadores.

 

Para fazer frente aos custos que vai incorrer com esta reestruturação, a Telecom Itália está já a prever gastar 700 milhões de euros.

 

Este plano de corte de custos vai começar a ser negociado com os sindicatos antes de a empresa italiana apresentar o seu plano estratégico 2018-2020, que está agendado para 6 de Março. Este servirá sobretudo para fazer frente à forte descida das receitas, que em 2016 se situaram nos 19 mil milhões de euros, menos 10 mil milhões de euros do que o registado em 2011.  

 

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.