Telecomunicações Telecomunicações: Queixas aumentaram 17%. Meo lidera com 38,5% do total

Telecomunicações: Queixas aumentaram 17%. Meo lidera com 38,5% do total

A venda e o cancelamento dos serviços foram os assuntos mais reclamados no primeiro semestre deste ano, segundo a Anacom.
Telecomunicações: Queixas aumentaram 17%. Meo lidera com 38,5% do total
Bloomberg
Sara Ribeiro 18 de outubro de 2017 às 13:00

De Janeiro a Junho deste ano, a Anacom recebeu 37,3 mil reclamações, um aumento de 17% face ao mesmo período de 2016. A Meo foi o operador com maior número de queixas, com 38,5% do total, seguindo-se a Nos (36,2%), a Vodafone (19,6%) e a Nowo (4,2%).

De acordo com os dados divulgados esta quarta-feira pelo regulador do sector, a grande maioria das reclamações recebidas (30,5 mil) são relativas a comunicações electrónicas, um aumento de 13,5% face às registadas no semestre no ano anterior.

Analisando por temas, a venda e cancelamento do serviço são os assuntos que geram mais reclamações por parte dos clientes das quatro operadoras representando 14,8% e 13,8% das queixas, respectivamente.

A alteração das condições contratuais pelo operador, que representa 7,3% das reclamações, "foi um dos assuntos cujas reclamações mais subiram – 58,5%", sublinha a entidade liderada por João Cadete de Matos.

Dividindo as reclamações por tipo de serviços prestados pelos operadores, os pacotes foram as ofertas mais reclamadas no período em análise com 28,4% das reclamações, seguindo-se o serviço telefónico móvel, com 24,9%.

"Para além de registarem o maior volume de reclamações, os pacotes de serviços apresentavam também a maior taxa de reclamações (2,4 reclamações por mil clientes), e a única que se encontrava acima da média – 2,1 reclamações por mil clientes", detalha a Anacom.

Apesar da Meo ser o operador com maior número de queixas, a Nowo e a Nos registaram "taxas de reclamações superiores à média no período em análise: 6,1 e 3 reclamações por mil clientes, respectivamente". Segue-se a Meo, com 1,9 reclamações, e a Vodafone, com 1,4 reclamações por mil clientes.

No entanto, "entre os prestadores de maior dimensão, a Nos foi o único prestador que viu a sua taxa de reclamações diminuir face ao semestre homólogo", aponta o regulador.

Quanto aos serviços postais, no primeiro semestre a Anacom recebeu um total de 5.435 reclamações, 14,6% do total das queixas registado e um aumento de 26,5% face ao período homólogo. Os CTT são o prestador mais reclamado, sendo responsáveis por 92% das reclamações.

Quase metade (45%) das reclamações estão relacionados com problemas na distribuição de envios postais. "Os assuntos mais reclamados foram o "Atendimento" (22,6%), o "Extravio/atraso significativo" (14,6%) e a "Falta de tentativa de entrega ao destinatário" (12%)".

 

A TDT foi alvo de 201 reclamações, o que corresponde a 0,5% de todas as reclamações recebidas. "Ainda assim, registou um acréscimo de 57 reclamações face ao período homólogo", conclui a Anacom.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 5 dias

A TDT é a maior vergonha possivel para a Anacom.
Nos Ctt, um/a emlregado/a vai para banqueiro e os outros têm de fazer o mesmo serviço com uma pessoa a menos. Resultado: filas intermináveis. Lindo!

pub