Empresas Terminal de contentores de Leixões é 100% turco

Terminal de contentores de Leixões é 100% turco

O grupo turco Yildirim, líder da actividade portuária portuguesa, já é dono de 100% do capital do Terminal de Contentores de Leixões (TCL), após a compra dos 27% detidos pela ETE e dos 10% que estavam nas mãos de um conjunto de accionistas liderado pelo ex-líder da empresa.
Terminal de contentores de Leixões é 100% turco
O grupo turco Yildirim comprou os 37% que lhe faltava para ficar dono de 100% do capital da TCL, concessionária do terminal de contentores de Leixões.
Rui Neves 08 de junho de 2017 às 12:41

Na liderança da actividade portuária portuguesa desde há um ano e meio, controlando vários terminais nos portos de Lisboa, Leixões, Setúbal, Aveiro e Figueira da Foz, o grupo turco Yildirim tornou-se agora o único dono do Terminal de Contentores de Leixões (TCL) após ter adquirido os 37% que estavam nas mãos de outros accionistas.

Conforme o Negócios noticiou na edição de 17 de Abril passado, a Yildirim começou por adquirir a posição de 10% que era controlada por um grupo liderado por Lopo Feijó, que foi presidente da TCL desde que a empresa ganhou esta concessão em Leixões, no ano 2000, e que cessou funções no final daquele mês.

Com a compra destes 10%, que estavam parqueados na Socarpor SGPS, detentora de terminais no porto de Aveiro, a Yldirim passou a deter, directa e indirectamente, 68% do TCL.

O restante capital ficou então dividido entre o grupo ETE (Empresa de Tráfego e Estiva), com uma participação de cerca de 27%, enquanto os remanescentes 5% correspondem a acções próprias da TCL, as quais foram, há já alguns anos, adquiridas pela empresa ao empresário Artur José Borges.

Mas eis que, pouco tempo depois de comprar os 10% ao grupo liderado por Lopo Feijó, a Yildirim também conseguiu firmar a compra dos 27% do grupo ETE, passando assim a controlar na totalidade o capital do TCL. Não são conhecidos o valores de ambos os negócios.

Entretanto, há cerca de três meses, o concessionário da TCL, que fechou o exercício de 2015 com uma facturação de 54,9 milhões de euros e lucros de 7,2 milhões, chegou finalmente a acordo com o Governo para a expansão desta infra-estrutura.

O  grupo  Yildirim assume todo o investimento, estimado em 43,4 milhões de euros, em troca de mais cinco anos de concessão, a qual, iniciada em 2000, passa assim de 25 para 30 anos.

Foi no final de 2015 que o grupo turco se tornou líder da actividade portuária portuguesa, após ter comprado as concessões portuárias do grupo Tertir à Mota-Engil (63,125%) e ao Novo Banco (36,875%) por cerca de 300 milhões de euros.

A Yildirim controla em Portugal quatro terminais de contentores, dois de carga geral e um terminal de granéis alimentares, num total de quatro quilómetros de cais concessionados no nosso país, nos portos de Lisboa, Leixões, Setúbal, Aveiro e Figueira da Foz.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.06.2017

O porto de Roterdão na Holanda está a iniciar um processo de modernização com base digital ligada a muita automação. Eles dizem que deixaram de ser uma empresa de logística, estiva e transportes para se tornarem numa empresa digital das tecnologias de informação. Os tradicionais estivadores já não são lá precisos para nada quando antes eram o principal factor produtivo e constituíam a mais numerosa população de colaboradores. O processo de substituição de factor trabalho por factor capital é uma realidade incontornável. Não fará baixar os salários porque os salários serão destinados única e exclusivamente a quem oferece factor trabalho muito especializado e qualificado com grande procura e portanto com preços mais elevados. Com IA e robótica mais avançada muito deste trabalho especializado também será substituído por mais capital que poupa em factor trabalho.

comentários mais recentes
LN 08.06.2017

Excelente, se fosse de portugueses iam roubar.

Anónimo 08.06.2017

O porto de Roterdão na Holanda está a iniciar um processo de modernização com base digital ligada a muita automação. Eles dizem que deixaram de ser uma empresa de logística, estiva e transportes para se tornarem numa empresa digital das tecnologias de informação. Os tradicionais estivadores já não são lá precisos para nada quando antes eram o principal factor produtivo e constituíam a mais numerosa população de colaboradores. O processo de substituição de factor trabalho por factor capital é uma realidade incontornável. Não fará baixar os salários porque os salários serão destinados única e exclusivamente a quem oferece factor trabalho muito especializado e qualificado com grande procura e portanto com preços mais elevados. Com IA e robótica mais avançada muito deste trabalho especializado também será substituído por mais capital que poupa em factor trabalho.

pub