Automóvel Tesla próxima de fechar acordo para produzir carros na China

Tesla próxima de fechar acordo para produzir carros na China

A fabricante de veículos eléctricos liderada por Elon Musk estará próxima de firmar um acordo para produzir carros na China pela primeira vez. Confirmação pode chegar ainda esta semana.
Tesla próxima de fechar acordo para produzir carros na China
Reuters
Ana Laranjeiro 20 de junho de 2017 às 09:21

A Tesla, produtora de veículos eléctricos, pode vir a produzir os seus carros na China. Fontes da Bloomberg, indicam que a empresa liderada por Elon Musk está próxima de fechar um acordo com a cidade de Xangai que vai permitir à Tesla construir infra-estruturas na zona de Lingang e assim começar, pela primeira vez, a construir carros na China.

O anúncio do acordo pode ser feito ainda esta semana. Contudo, e dado que os últimos detalhes, ao que indica a agência, estão ainda a ser tratados não há garantias de uma formalização do acordo nos próximos dias. Até porque a Tesla, de acordo com as regras existentes, precisa de uma parceria com uma empresa local para conseguir este acordo. Para já, não se sabe qual será a companhia.


Arrancar com a produção de veículos na China pode permitir à empresa de Musk ter um acesso mais facilitado ao mercado chinês, um dos maiores para o sector automóvel. No ano passado, no mercado chinês, a Tesla obteve receitas que ascenderam a mil milhões de dólares. E se a Tesla passar a ter uma estrutura produtiva no país esse número pode crescer de forma significativa, até porque os carros passam a ficar mais baratos. Tendo uma linha de montagem em território chinês, a empresa não vai ter de pagar um imposto de 25%, um valor que agora paga e faz com que os seus veículos comercializados em território chinês – o Model S e o Model X – sejam mais caros na China que nos EUA, refere a agência.

Musk deixa de ser conselheiro de Trump

A China tem vindo a apostar nos carros que são alimentados com recurso a novas energias. Graças aos incentivos governamentais, em 2015 a China tornou-se o maior mercado para automóveis sem emissões poluentes, deixando para trás os Estados Unidos.

As notícias sobre este possível acordo da Tesla para construir veículos na China surgem depois de no início do mês Elon Musk ter decidido sair do grupo de conselheiros do presidente norte-americano, Donald Trump. Em causa esteve a decisão de Trump de se desvincular do Acordo do Clima, do qual foi signatário em Dezembro de 2015. Musk cumpriu assim a ameaça que já tinha feito, deixando o grupo, e defendeu no Twitter que "as mudanças climáticas são reais" e que "deixar [o acordo] de Paris não é bom para a América nem para o mundo".

Com a decisão de desvincular-se do acordo do clima, os Estados Unidos "cessarão todas as implementações" dos seus compromissos climáticos fixados em Paris, que incluem a meta proposta pelo ex-presidente Barack Obama de reduzir até 2025 as emissões de gases de efeito de estufa entre 26% e 28% em relação aos níveis de 2005.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub