Automóvel Tesla vai buscar mais dinheiro aos bancos

Tesla vai buscar mais dinheiro aos bancos

A Tesla voltou a ir aos bancos buscar mais dinheiro. E conseguiu a promessa de que obteria mais dentro em breve.
Tesla vai buscar mais dinheiro aos bancos
Reuters
Alexandra Machado 24 de junho de 2017 às 14:45

A Tesla garantiu a extensão dos montantes das suas linhas de crédito junto de bancos como o Deutsche Bank. Mais dinheiro e com a promessa de ainda conseguir mais no futuro.

No âmbito do acordo estabelecido em Junho, e de acordo com o comunicado da Tesla, a empresa de Elon Musk conseguiu chegar a acordo com os bancos para uma extensão da linha de crédito de que dispõe em 625 milhões de dólares, elevando-a a um total de 1,8 mil milhões de dólares. 

Mas não se ficou por aqui. Obteve um compromisso adicional de ter mais 175 milhões de dólares, ascendendo a linha aos dois mil milhões de dólares.

No total, a Tesla garante mais 800 milhões de dólares neste empréstimo. É a segunda vez em seis meses que a Tesla reforça a linha de crédito, numa altura em que está a tentar colocar no mercado o seu carro eléctrico mais barato, Model 3 sedan, cuja produção deve arrancar este Verão. 

Adicionalmente, já em Março tinha revelado o reforço de capitais de 1,15 mil milhões de dólares, mediante a emissão de acções no valor de 250 milhões de dólares, mais 750 milhões de dólares de dívida sénior convertível, com maturidade em 2022.

Tal como Elon Musk já definiu, o Model 3 "é uma versão mais pequena e barata do Model S, com menos autonomia e potência. O Model S tem uma tecnologia mais avançada". Segundo projecções feitas pelo milionário, a Tesla espera vender 50 mil carros eléctricos no primeiro semestre deste ano e conta com o Model 3 para fabricar 500 mil carros por ano a partir de 2018.

No primeiro trimestre do ano, a Tesla registou prejuízos de 330,3 milhões de dólares, contra perdas de 282,3 milhões um ano antes. E acima das projecções dos analistas. As receitas ascenderam a 2,70 mil milhões de dólares, mais do dobro face ao período homólogo do ano anterior (1,15 mil milhões de dólares). O consenso de mercado apontava para 2,62 mil milhões, pelo que a facturação superou as expectativas. O aumento das receitas deveu-se sobretudo às vendas recorde dos seus SUV Model X (introduzidos em finais de 2015 e que deram, inicialmente, alguns problemas) e dos sedans Model S.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ciifrão 25.06.2017

A típica fuga para a frente, mais dinheiro para manter o brilho forçado da empresa.

pertinaz 24.06.2017

INACREDITÁVEL... OS REGULADORES BANCÁRIOS JÁ DEVIAM ANDAR EM DOS BANCOS QUE CONCEDEM CRÉDITO A ESTES ARTISTAS... NA VERDADE PARECE-ME QUE OS ALEMÃES QUEREM FICAR COM A TESLA...!!!

Anónimo 24.06.2017

Está-se a tentar tornar too big to fail. Pode vir a ser um pesadelo para os contribuintes.

Saber mais e Alertas
pub