Banca & Finanças Tesouro britânico já recuperou 90% do resgate ao Lloyds

Tesouro britânico já recuperou 90% do resgate ao Lloyds

A estratégia de desinvestimento no banco que foi intervencionado pelo governo britânico continua, com o governo liderado por Theresa May a deter menos de 5% do capital da instituição liderada por Horta Osório.
Tesouro britânico já recuperou 90% do resgate ao Lloyds
Paulo Zacarias Gomes 30 de janeiro de 2017 às 11:24
O Tesouro britânico recuperou até ao momento 18.500 milhões de libras das 20.300 milhões de libras (21.700 de 23.790 milhões de euros, à cotação actual) injectadas pelo Estado no Lloyds Banking Group na sequência da crise económica e financeira internacional.

No total, a verba recuperada com a venda consecutiva no mercado de tranches de capital do banco já permitiu ao governo britânico, agora liderado por Theresa May, recuperar para os cofres do Estado mais de 90% (91,13%) do montante investido, anunciou o executivo em comunicado.

O erário público do Reino Unido ficou com 43,4% do capital do Lloyds em 2009. A venda das participações estatais começou em Setembro de 2013.

O desinvestimento segue o plano anunciado no início de Outubro pelo Tesouro do Reino Unido, quando foi decidido retomar a venda de acções do grupo Lloyds e concluir, no espaço de 12 meses, a venda da participação de 9,1% que o Estado então detinha.

Em 9 de Janeiro, com a venda então comunicada - para 5,95% - o Estado britânico tinha deixado de ser o maior accionista do grupo bancário liderado pelo português António Horta Osório (na foto).

Os títulos do Lloyds Banking Group recuam esta segunda-feira, 30 de Janeiro, 0,82% para 65,33 pence em Londres. Desde 7 de Outubro, dia em que foi anunciado o retomar da venda da posição em mãos públicas, as acções do banco já valorizaram 24,3%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub