Indústria Thyssenkrupp vai cortar 2.500 empregos administrativos

Thyssenkrupp vai cortar 2.500 empregos administrativos

A companhia alemã pretende cortar 400 milhões de euros em custos administrativos e para tal vai eliminar mais de 2 mil empregos.
Thyssenkrupp vai cortar 2.500 empregos administrativos
Negócios com Bloomberg 11 de julho de 2017 às 11:06

A Thyssenkrupp anunciou esta terça-feira, 11 de Julho, que vai eliminar entre 2.000 e 2.500 empregos administrativos, sendo esta uma das medidas para cortar custos e garantir que atinge a meta de resultados proposta.

 

Num comunicado citado pela Bloomberg, a maior fabricante de aço alemã refere que os custos administrativos, de 2,4 mil milhões de euros por ano, estão num nível "claramente muito elevado". O objectivo passa por reduzir o valor em 400 milhões de euros, o que resultará no corte de até 2.500 empregos, sendo que metade dos cortes serão efectuados na Alemanha.

 

A Thyssenkrupp, que tem actualmente 18 mil empregados com funções administrativas, tem tomado outras medidas para reduzir custos. Em Fevereiro vendeu uma fábrica de aço no Brasil à Ternum, finalizando a saída da Steel Americas, que foi o seu pior investimento de sempre.

 

O mercado reagiu de forma positiva ao anúncio de corte de empregos, com as acções a dispararem 3,1% para 26,965 euros, o que representa o nível mais elevado desde Agosto de 2011.   

 

A empresa alemã tem tentado diversificar a sua actividade desde que o actual CEO tomou posse em 2011 e ficou uma meta de atingir um EBITDA de 2 mil milhões de euros. A unidade de fabrico de aço tem contudo apresentado um desempenho abaixo do esperado, sendo que a Thyssenkrupp nos últimos anos ganhou mais dinheiro nos elevadores do que na divisão de aço.