Indústria Thyssenkrupp vai cortar 2.500 empregos administrativos

Thyssenkrupp vai cortar 2.500 empregos administrativos

A companhia alemã pretende cortar 400 milhões de euros em custos administrativos e para tal vai eliminar mais de 2 mil empregos.
Thyssenkrupp vai cortar 2.500 empregos administrativos
Negócios com Bloomberg 11 de julho de 2017 às 11:06

A Thyssenkrupp anunciou esta terça-feira, 11 de Julho, que vai eliminar entre 2.000 e 2.500 empregos administrativos, sendo esta uma das medidas para cortar custos e garantir que atinge a meta de resultados proposta.

 

Num comunicado citado pela Bloomberg, a maior fabricante de aço alemã refere que os custos administrativos, de 2,4 mil milhões de euros por ano, estão num nível "claramente muito elevado". O objectivo passa por reduzir o valor em 400 milhões de euros, o que resultará no corte de até 2.500 empregos, sendo que metade dos cortes serão efectuados na Alemanha.

 

A Thyssenkrupp, que tem actualmente 18 mil empregados com funções administrativas, tem tomado outras medidas para reduzir custos. Em Fevereiro vendeu uma fábrica de aço no Brasil à Ternum, finalizando a saída da Steel Americas, que foi o seu pior investimento de sempre.

 

O mercado reagiu de forma positiva ao anúncio de corte de empregos, com as acções a dispararem 3,1% para 26,965 euros, o que representa o nível mais elevado desde Agosto de 2011.   

 

A empresa alemã tem tentado diversificar a sua actividade desde que o actual CEO tomou posse em 2011 e ficou uma meta de atingir um EBITDA de 2 mil milhões de euros. A unidade de fabrico de aço tem contudo apresentado um desempenho abaixo do esperado, sendo que a Thyssenkrupp nos últimos anos ganhou mais dinheiro nos elevadores do que na divisão de aço. 




A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 11.07.2017

É bom que os sindicalistas portugueses se comecem a habituar às rondas de despedimentos quando estas são mais do que necessárias em determinada organização porque sem gestão de recursos humanos não existe equidade e sustentabilidade económica, criação de riqueza, nem soberania nacional.

comentários mais recentes
Anónimo 11.07.2017

A economia alemã é tão rica e desenvolvida porque não dá grande margem de manobra ao excedentarismo.

Anónimo 11.07.2017

Na CGD ainda não sabem por onde é que podem começar a despedir os 2200 excedentários que teve de ser "Bruxelas" a indiciar. Nem sabem ainda quantos zeros a mais poderá ter o cheque do prémio por terem sido excedentários remunerados durante estes anos todos.

Anónimo 11.07.2017

O Jornal de Negócios que foque a sua atenção para os bons exemplos que nos chegam das sociedades e economias mais prósperas e avançadas:
Reino Unido, Primeiro Mundo (2015): "Job cuts to shrink civil service to 1940s size" https://www.thetimes.co.uk/article/job-cuts-to-shrink-civil-service-to-1940s-size-5blwv2z6qmd
EUA, Primeiro Mundo (2014): "The Federal Government Now Employs the Fewest People Since 1966" https://blogs.wsj.com/economics/2014/11/07/the-federal-government-now-employs-the-fewest-people-since-1966/
Austrália, Primeiro Mundo (2016): “The intention of this reform is to streamline administration and governance arrangements and consolidate government agencies, bodies, boards and committees,” www.dailytelegraph.com.au/news/nsw/treasurer-gladys-berejiklians-plan-for-public-service-job-cuts-to-streamline-departments/news-story/7c73fcba059e7f8ee8102112c9f63850

Anónimo 11.07.2017

O Jornal de Negócios que elabore sobre as reformas viradas para as reais condições de mercado que se fazem nas regiões mais desenvolvidas do mundo de modo a esclarecer a importância das mesmas para a prosperidade e o bem-estar das suas populações:
"IRS will cut 7,000 jobs because the majority of people are filing their tax returns online" http://www.dailymail.co.uk/news/article-3811646/IRS-cutting-7-000-jobs-vast-majority-people-file-tax-returns-online-meaning-fewer-people-needed-process-paper-forms.html
"Inland Revenue to cut 1500 jobs between 2018 and 2021" www.stuff.co.nz/business/industries/78231571/inland-revenue-to-cut-1500-jobs-between-2018-and-2021
"Australian Taxation Office axes 4400 jobs in 19 months" (April 9, 2015 http://www.canberratimes.com.au/national/public-service/australian-taxation-office-axes-4400-jobs-in-19-months-20150409-1mhhgq.html)

ver mais comentários