Media Títulos da Cofina agregados na mesma sede, mas mantêm "ADN e autonomia"

Títulos da Cofina agregados na mesma sede, mas mantêm "ADN e autonomia"

A Cofina, dona do Correio da Manhã, Sábado, Record e Jornal de Negócios, vai agregar as redacções dos títulos na sede, no Alto dos Moinhos (Lisboa), para "rentabilizar sinergias", mas salvaguarda o "ADN e autonomia" de cada publicação.
Títulos da Cofina agregados na mesma sede, mas mantêm "ADN e autonomia"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 06 de setembro de 2017 às 17:18
"Vamos rentabilizar sinergias, com respeito pelo ADN e autonomia de cada título", disse hoje à agência Lusa o 'publisher' do grupo Cofina, Octávio Ribeiro.

Segundo o responsável, "as obras já começaram hoje" e dizem respeito à "actual sede", no Alto dos Moinhos.

Em causa estão "todos os títulos" do grupo, precisou.

Além do Correio da Manhã, Sábado, Record e Jornal de Negócios, fazem parte da Cofina publicações como a Flash, Máxima e Destak. O grupo detém também a CMTV.

Questionado pela Lusa sobre o que isso implica em termos editoriais, ou seja, se poderá haver despedimentos ou o desaparecimento de algum dos títulos, Octávio Ribeiro garantiu que não significa "nada".

A Cofina fechou o primeiro semestre do ano com um lucro de 718 mil euros, uma redução de 69,3% face aos 2,34 milhões de euros registados entre Janeiro e Junho de 2016, foi divulgado em Julho passado.

Em comunicado enviado na altura à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo de 'media' indicava que o EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) no período em análise foi de 5,6 milhões de euros, uma queda de 12,7% face aos 6,4 milhões de euros de igual período no ano passado.

Na ocasião, a Cofina sublinhou que, no actual "contexto adverso" do sector dos 'media', "está a implementar um plano de reestruturação, que visa preparar a empresa para a realidade actual e futura, garantindo a sua sustentação e níveis de rentabilidade adequados".

"O referido plano passa pela optimização da estrutura e do portefólio de produtos. Neste sentido, nas contas do primeiro semestre estão incluídos dois milhões de euros referentes a custos de reestruturação", informou o grupo.

Em 30 de junho de 2017, a dívida líquida nominal da Cofina era de 56 milhões de euros, refere o texto enviado à CMVM.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub