Automóvel Toyota e Mazda vão produzir juntas nos EUA e criar 4 mil empregos

Toyota e Mazda vão produzir juntas nos EUA e criar 4 mil empregos

As empresas japonesas estabeleceram uma aliança que prevê ainda cooperação no desenvolvimento de tecnologias relacionadas com veículos eléctricos e carros autónomos.
Toyota e Mazda vão produzir juntas nos EUA e criar 4 mil empregos
Bloomberg
Negócios 04 de agosto de 2017 às 13:09

A Toyota e a Mazda vão unir esforços para produzir automóveis nos Estados Unidos. As duas fabricantes japonesas anunciaram esta sexta-feira, 4 de Agosto, que vão construir uma unidade de produção em solo americano e desenvolver, em conjunto, tecnologias relacionadas com veículos eléctricos.

 

Neste sentido, a Toyota – a segunda maior fabricante do mundo, em termos de volume de vendas, no ano passado – vai ter uma participação de 5% na Mazda, e esta uma participação de 0,25% na Toyota.

 

A linha de montagem das fabricantes japonesas, um investimento avaliado em 1,6 mil milhões de dólares, terá uma capacidade de produção de 300 mil veículos por ano – divididos pelas duas – e criará quatro mil postos de trabalho.

 

Segundo as informações avançadas pelas empresas, e citadas pela Reuters, esta unidade deverá estar operacional em 2021.

 

Como parte do acordo, a Toyota e a Mazda vão ainda unir esforços para desenvolver tecnologias relacionadas com os veículos eléctricos e com o carro autónomo.

 

A Toyota tem feito alianças com concorrentes mais pequenos nos últimos anos, como é o caso da Subaru, em que detém uma participação de 16,5%.

 

De acordo com a Reuters, a Toyota também está a tentar uma aproximação à Suzuki para estabelecer uma parceria ao nível da investigação e desenvolvimento, e fornecimento de peças, procurando tirar vantagem da rival em mercados asiáticos emergentes.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar