Automóvel Toyota prevê queda dos lucros e planeia recompra de acções

Toyota prevê queda dos lucros e planeia recompra de acções

A fabricante japonesa estima que no ano fiscal em curso vai ter uma quebra nos lucros operacionais, penalizada pela valorização do iene. A Toyota quer recomprar 250 mil milhões de ienes de acções próprias.
Toyota prevê queda dos lucros e planeia recompra de acções
Negócios com Bloomberg 10 de maio de 2017 às 08:38

A fabricante de automóveis nipónica Toyota revelou esta quarta-feira, 10 de Maio, que no ano fiscal em curso, e que termina em Março de 2018, registará uma quebra dos lucros operacionais de 1,99 biliões de ienes (cerca de 16,1 mil milhões de euros), no período homólogo, para 1,6 biliões de ienes (em torno de 12,9 mil milhões de euros).

 

Esta previsão da Toyota compara com a estimativa média resultante do inquérito feito pela Bloomberg junto de 20 analistas que aponta para lucros operacionais de 2,34 biliões de ienes (18,9 mil milhões de euros). A empresa acredita ainda que as receitas vão cair 0,4% e que o volume de entregas manter-se-á nos 10,25 milhões de veículos. As previsões da fabricante japonesa foram feitas com base numa taxa de câmbio de 105 ienes por dólar.

 

A Toyota revelou ainda que está a planear avançar com uma operação de recompra de acções próprias num montante de 250 mil milhões de ienes (2 mil milhões de euros).

 

A justificar o maior pessimismo da Toyota está a quebra acima do esperado do volume de vendas no mercado norte-americano verificada em cada um dos meses deste ano de 2017, sendo que a fabricante nipónica prevê que os resultados sejam também penalizados pela valorização da divisa japonesa que ao longo deste ano acumula uma subida de 2,61% face ao dólar.

As acções da Toyota encerraram a negociação desta quarta-feira a cair 0,88% para 6.081 ienes.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub