Automóvel Toyota responde a Trump e diz que já investiu 22 mil milhões nos EUA

Toyota responde a Trump e diz que já investiu 22 mil milhões nos EUA

O presidente-eleito ameaçou impor taxar a marca se a nova fábrica no México avançar. Toyota responde com a sua contribuição para a economia norte-americana.
Toyota responde a Trump e diz que já investiu 22 mil milhões nos EUA
André Cabrita-Mendes 06 de janeiro de 2017 às 15:22
A Toyota e o Governo japonês reagiram a Donald Trump. O presidente eleito ameaçou impor uma "elevada tarifa aduaneira" à marca automóvel se vier a construir uma nova fábrica no México para depois exportar para os Estados Unidos.

Em resposta, a empresa veio a público mostrar de que forma é que contribui para a economia norte-americana: 21,9 mil milhões de dólares (20,7 mil milhões de euros) de investimento directo no país, 10 fábricas, 1.500 concessionários e 136 mil trabalhadores.

"A Toyota está interessada em colaborar com a administração Trump para servir melhor os interesses dos consumidores e da indústria automóvel", disse a marca em comunicado citado pelo The Guardian esta sexta-feira, 6 de Janeiro.

O próprio Governo nipónico também veio a público defender a fabricante automóvel. "Os fabricantes japoneses estão a fazer contribuições significativas em termos de empregos nos Estados Unidos", disse o ministro da Economia do Japão, Hiroshige Seko.

"É importante que os seus esforços e resultados sejam largamente aceites. Este é um assunto que envolve uma empresa privada mas o governo está preparado para apoiá-la", afirmou o responsável citado pelo The Guardian.

Os dados da pegada japonesa na economia norte-americana mostram a relevância do investimento nipónico: mais de 80 mil trabalhadores em empresas japonesas nos EUA e com um contributo de 78 mil milhões de dólares para as exportações do país em 2014.

A reacção da Toyota e do Governo nipónico surge depois de Donald Trump ter ameaçado aumentar as tarifas aduaneiras sobre a empresa.

"A Toyota diz que vai construir uma nova fábrica no México, para construir o modelo Corolla para o mercado norte-americano. Nem pensar! Ou constrói a fábrica nos Estados Unidos ou passa a pagar uma elevada taxa aduaneira", escreveu o presidente-eleito na quinta-feira, 5 de Janeiro.

A construção da nova fábrica em Guanajuato, no México, teve início no final de 2016. Aqui vai ser fabricado o modelo Corolla a partir de 2019. Na mensagem original, Donald Trump confundiu este novo investimento, com a fábrica já existente em Baja.

A ameaça de Trump surgiu horas depois do presidente da Toyota, Akido Toyoda, ter garantido que a marca não iria desistir do investimento no México.

As fabricantes automóveis têm estado debaixo de fogo por parte de Donald Trump. O presidente-eleito criticou recentemente a General Motors por fabricar automóveis no México cujo destino são os Estados Unidos.

Uma das empresas que desistiu de investir no México foi a norte-americana Ford, que esta semana anunciou o cancelamento do investimento de 1,6 mil milhões de dólares numa nova fábrica para investir numa fábrica já existente nos EUA.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Alexandre 06.01.2017

É limitado... mas por outro lado os países têm que se defender de outros que não têm os mesmos regulamentos em termos de trabalho, ambiente, etc... se for concorrência dentro dos mesmos parâmetros, muito bem, senão terei que concordar com barreiras.

GB 06.01.2017

Ó Anónimo... A sério???

Há mesmo gente tão limitada com tu?

Não consegues atingir, que se assim fosse, Portugal não tinha VW, Siemens, Toyota, Bosch,...

Se cada país só olhasse para si, só tinhas emprego a cavar terra no campo!

Muito bom 06.01.2017

Ainda vou ver os americanos isolados do mundo. Nesse dia o planeta melhora.

Tereza economista 06.01.2017

Para chamar á razão essa trampa o Mundo deve boicotar os produtos americanos. È urgente ou o Mundo cairá no caos

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub