Empresas Toys R Us pode pedir insolvência esta semana

Toys R Us pode pedir insolvência esta semana

O movimento poderia ajudar a empresa a reestruturar as suas contas a tempo da época do Natal, garantindo aos principais fornecedores a estabilidade necessária para que continuem a vender os seus produtos nas lojas da marca.
Toys R Us pode pedir insolvência esta semana
Reuters
Negócios 18 de setembro de 2017 às 17:27
A empresa especializada no comércio de brinquedos Toys R Us pode vir a requerer a insolvência nos EUA durante esta semana, uma circunstância que poderá desencadear uma reestruturação e levar à simplificação da estrutura de capital, actualmente dividida entre três fundos de investimento.

Segundo a CNBC, que avança a notícia citando fontes próximas do processo, a reestruturação deverá ocorrer antes da época tradicionalmente de maiores vendas do ano - o Natal -, dando assim à companhia a flexibilidade financeira necessária para investir no seu negócio e reposicionar-se para enfrentar as mudanças em curso no sector do retalho.

Por outro lado, a reestruturação daria também maior garantia de uma visão de longo prazo da empresa de retalho perante alguns dos seus maiores fornecedores, como a Mattel e a Hasbro, garantindo à empresa que estes continuam a colocar os seus produtos nas prateleiras da companhia ao longo daquela época festiva.

Além da CNBC, o serviço de notícias especializado em insolvências, Reorg Research, tinha avançado que um processo desta natureza poderia ser submetido já esta segunda-feira.

No ano que vem, a empresa depara-se com o vencimento de uma dívida de 400 milhões de dólares, situação que levou à contratação da firma de advogados Kirkland & Ellis, especializada em reestruturação de dívida. No total, a dívida da empresa ascende a cerca de 5.000 milhões de dólares (4.200 milhões de euros à cotação actual).

A Toys R Us foi comprada há 12 anos pelas empresas de private equity KKR e Bain e pelo fundo imobiliário Vornado. Na altura, o negócio ascendeu a 6.600 milhões de dólares. Segundo o The Wall Street Journal, a empresa tem actualmente 1.600 lojas.

Em reacção à possível iminência de um pedido de insolvência, as acções da Mattel afundam quase 6% em Nova Iorque e as da Hasbro já estiveram a cair mais de 2,5%.

(Notícia actualizada às 17:50 com cotações da Hasbro e Mattel)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 2 dias

Há grandes empresas, que declaram falencia, depois de tudo "bem organizado", montam outra barraca com um nome semelhante e com as mesmas pessoas, e ficam centenas de credores a arder.Ficaram-me no Porto 12.500 euros e a empresa lá está a desafiar a nossa competente e rapida justiça.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub