Comércio Toys R Us prepara fecho de 25% das lojas no Reino Unido

Toys R Us prepara fecho de 25% das lojas no Reino Unido

Pelo menos 26 lojas deverão encerrar a partir da Primavera do próximo ano. A empresa justifica que os estabelecimentos de grandes dimensões abertos nos anos 80 e 90 deixaram de ser rentáveis.
Toys R Us prepara fecho de 25% das lojas no Reino Unido
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 04 de dezembro de 2017 às 13:25
A cadeia de distribuição de brinquedos Toys R Us deverá fechar pelo menos um quarto das suas 105 lojas no Reino Unido, encerramentos que deverão arrancar na Primavera do ano que vem.

Num comunicado enviado esta segunda-feira, 4 de Dezembro, a empresa diz pretender aderir a um acordo voluntário com os credores, que será submetido nos próximos 17 dias. Se o acordo tiver luz verde, deverão encerrar "pelo menos 26 lojas."

Em causa estão sobretudo lojas de grandes dimensões, abertas nos anos 80 e 90 do século passado, e que hoje se mostram "demasiado grandes e dispendiosas para funcionar no actual ambiente de retalho," ao contrário do que acontece com as de pequena dimensão.

"Todas as nossas lojas no Reino Unido permanecerão abertas durante o Natal e no início do Ano Novo," garantiu a administração da empresa cujo grupo a nível internacional pediu, em Setembro, protecção contra credores das unidades norte-americana e canadiana.

A empresa tem 3.200 funcionários no Reino Unido e prevê que o processo venha a "afectar muitos dos membros da nossa equipa e das suas famílias," garantindo no entanto que será feito um esforço para recolocar funcionários noutras funções na companhia.

A companhia assegura que o processo não terá impacto em quaisquer estruturas ou funcionários da Toys R Us fora do Reino Unido.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar