Automóvel Trabalhadores da Autoeuropa entregam abaixo-assinado contra horários propostos pela empresa

Trabalhadores da Autoeuropa entregam abaixo-assinado contra horários propostos pela empresa

Cerca de 1.600 trabalhadores da fábrica da Autoeuropa, em Palmela, subscreveram um abaixo-assinado a reclamar horários alternativos aos que foram propostos pela administração da empresa e que dizem colocar em causa os seu direitos, anunciou hoje o SITESUL.
Trabalhadores da Autoeuropa entregam abaixo-assinado contra horários propostos pela empresa
Bruno Simão
Lusa 26 de julho de 2017 às 20:46

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul (SITESUL) refere, em comunicado, que "não existindo até à data qualquer proposta por parte da administração da Volkswagen/Autoeuropa que vá ao encontro das justas reivindicações dos trabalhadores e de acordo com a decisão do plenário realizado na passada semana, a greve agendada para 30 de Agosto de 2017 mantém-se inalterada".

 

Esta tomada de posição do sindicato surge na sequência de uma reunião entre a Comissão de Trabalhadores e a administração da empresa que estava agendada para hoje de manhã, mas que, segundo o sindicato, foi cancelada devido à "falta de disponibilidade" da administração.

 

"Lamentamos esta indisponibilidade, pois consideramos que é de extrema importância o diálogo entre as duas organizações, no momento que se vive, pelo que reiteramos a nossa disponibilidade para reunir com a administração da Volkswagen/Autoeuropa e encontrar uma solução que vá de encontro às expectativas dos trabalhadores e evite o conflito", lê-se no comunicado do SITESUL.

 

Também em comunicado, as Organizações Representativas dos Trabalhadores do Parque Industrial da Autoeuropa (ORT's) e fornecedores, solidarizam-se com a luta dos trabalhadores da Autoeuropa "por horários de trabalho dignos", manifestando desacordo com o trabalho por turnos nos termos em que estará a ser proposto aos empregados na fábrica de automóveis de Palmela.

 

"A serem colocados em prática tais horários de trabalho, estes irão ter repercussões directas nos trabalhadores das empresas do parque industrial da Autoeuropa fornecedoras da Volkswagen, pelo que a luta agendada para 30 de agosto não será apenas dos trabalhadores da Autoeuropa mas de todos os trabalhadores", refere o documento, que defende a necessidade de uma revisão da legislação sobre laboração por turnos.

 

"Existe uma grande necessidade de revisão da regulação do trabalho por turnos, não devendo a mesma apenas ter em conta as consequências que tal organização do tempo de trabalho traz para a saúde do trabalhador, mas também, as consequências de natureza social devem assumir-se como outro factor muito importante para a sustentação dessa necessidade", refere o documento.

 

A agência Lusa tentou ouvir a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, mas tal não foi possível.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub