Banca & Finanças Trabalhadores da Caixa dão prioridade à capitalização
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Trabalhadores da Caixa dão prioridade à capitalização

Queixando-se de ainda não ter sido recebida pelo ministro das Finanças e pelo primeiro-ministro, a comissão de trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos quer sentir as consequências da capitalização. Seja com a actual ou com outra administração.
Trabalhadores da Caixa dão prioridade à capitalização
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 17 de Novembro de 2016 às 00:01

A comissão de trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos pede a aceleração do processo de capitalização da instituição financeira. Esse é, para Jorge Canadelo, o ponto que tem de ser prioritá

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

O problema é se os interesses específicos dos trabalhadores da CGD coincidem e convergem com os interesses gerais legítimos dos portugueses.
Insisto na questão: se a CGD tem trabalhadores a mais, e se a decisão fôr a de dispensar alguns, deve fazê-lo no cumprimento rigoroso da lei em vigor e do cógido do trabalho e não, para lhes calar a boca e conseguir a sua cumplicidade, através de pagamentos de indemnizações e outras mordomias muito acima do que se aplica e aplicou à maioria dos portugueses o que quer dizer o memo que à custa destes, na linha de eles, ou outros, pagam e não bufam.

comentários mais recentes
JCG Há 2 semanas

O problema é se os interesses específicos dos trabalhadores da CGD coincidem e convergem com os interesses gerais legítimos dos portugueses.
Insisto na questão: se a CGD tem trabalhadores a mais, e se a decisão fôr a de dispensar alguns, deve fazê-lo no cumprimento rigoroso da lei em vigor e do cógido do trabalho e não, para lhes calar a boca e conseguir a sua cumplicidade, através de pagamentos de indemnizações e outras mordomias muito acima do que se aplica e aplicou à maioria dos portugueses o que quer dizer o memo que à custa destes, na linha de eles, ou outros, pagam e não bufam.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub