Media Trabalhadores da Impresa alertam para “incerteza total”

Trabalhadores da Impresa alertam para “incerteza total”

A Comissão de Trabalhadores da Impresa alerta que há “incerteza total" quanto ao futuro dos títulos do grupo. O director de Recursos Humanos diz que “todos os cenários estão em avaliação”.
Trabalhadores da Impresa alertam para “incerteza total”
Pedro Catarino
Negócios 24 de agosto de 2017 às 19:54

Depois das notícias sobre a eventual venda ou encerramento das revistas do Impresa, a Comissão de Trabalhadores do Grupo pediu uma reunião de urgência com o presidente executivo da empresa. No entanto, como Francisco Pedro Balsemão "se encontra fora de Lisboa", sugeriu que o encontro fosse realizado com o director de Recursos Humanos, Eduardo Gomes.

 

Após a reunião, a Comissão de Trabalhadores da Impresa Publishing concluiu que há uma "incerteza total quanto ao futuro de todos os títulos", entre os quais a Activa, Blitz, Caras Exame, TV Mais e Visão, "à excepção do Expresso", de acordo com um comunicado emitido pela CT do grupo.

 

"Fechar tudo, vender tudo, fechar parte, vender parte, ficar com alguns - todos os cenários estão em avaliação e a única garantia é que a Impresa Publishing não pode continuar nestes moldes", referiu o director de recursos humanos, durante a mesma reunião.

 

Tendo em conta este cenário, a Comissão de Trabalhadores conclui que há "incerteza total quanto ao futuro dos trabalhadores não só directamente ligados aos títulos acima referidos, como a outros departamentos da Impresa Publishing (Fotografia, Produção, Marketing, Publicidade, Gesco, Multiplatataforma, Distribuição, etc.) e também trabalhadores da Impresa Serviços.

 

A CT da Impresa Publishing lamenta ainda "a forma como esta notícia foi divulgada, causando alarme entre os trabalhadores sem que a comissão executiva tenha respostas para lhes dar".

 

Mas lamenta "sobretudo que seja posta em causa a sobrevivência de títulos válidos e importantes no panorama da comunicação social nacional, podendo levar mais de uma centena de trabalhadores para o desemprego", segundo o mesmo comunicado.

 

Por estas razões, considera "que este anúncio não faz de todo justiça ao esforço e dedicação destes trabalhadores, que muito contribuíram para o actual crescimento generalizado destes títulos (em vendas e em publicidade), em contracorrente com o que se passa no mercado".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub