Media Trabalhadores da Lusa protestam contra corte orçamental

Trabalhadores da Lusa protestam contra corte orçamental

Na quinta-feira, a presidente do Conselho de Administração da Lusa disse que o Governo garantiu estar a fazer "tudo para salvaguardar o serviço público de informação e os interesses dos trabalhadores", apesar corte orçamental previsto para 2017.
Trabalhadores da Lusa protestam contra corte orçamental
Correio da Manhã
Lusa 24 de Outubro de 2016 às 22:46
Os trabalhadores da Lusa decidiram hoje, em plenário, realizar em Novembro várias acções de protesto, após o anúncio de um corte de 2,6 milhões de euros no financiamento da empresa no Orçamento do Estado para 2017.
 
A decisão, tomada por unanimidade, visa contestar a redução da indemnização compensatória do Estado em 2,6 milhões de euros (de 15,838 em 2016 para 12,240 em 2017) e também obter respostas para o que Governo definiu como "reequacionamento" do Contrato de Prestação de Serviço Noticioso e Informativo de Interesse Público.
 
Com o protesto, os funcionários da Lusa pretendem igualmente obter explicações para o contínuo adiamento da assinatura do contrato para o triénio 2016/2018, que continua por assinar.
 
A semana passada, a Comissão de Trabalhadores da Lusa questionou o Ministério da Cultura sobre o "persistente adiamento" da assinatura do contrato programa para o triénio 2016-2018, bem como sobre a redução da indemnização compensatório para 2017.
 
"Confrontada com o valor da indemnização compensatória inscrita no Orçamento do Estado para 2017 (...), a Comissão de Trabalhadores da Lusa gostaria de saber a razão desta discrepância de valores, já que a concretizar-se esta diminuição, tal tem impacto no serviço e nos trabalhadores da única agência noticiosa portuguesa", refere a carta enviada ao ministro, via e-mail.
 
Na quarta-feira passada, o Governo, através do Ministério da Cultura, explicou que vai "reequacionar" o Contrato de Prestação de Serviço Noticioso e Informativo com a Lusa, depois de reduzir a indemnização compensatória na proposta de Orçamento do Estado para 2017.
 
"Face à nova realidade orçamental para 2017, queremos reequacionar os termos, por forma a não penalizar a empresa e os seus trabalhadores", referiu o ministério, em resposta a questões colocadas pela Lusa, o Ministério da Cultura, que tutela a Comunicação Social.
 
Na quinta-feira, a presidente do Conselho de Administração da Lusa disse que o Governo garantiu estar a fazer "tudo para salvaguardar o serviço público de informação e os interesses dos trabalhadores", apesar corte orçamental previsto para 2017.
 
Em comunicado, divulgado aos trabalhadores, após uma reunião com o ministro da Cultura, que tutela a pasta da Comunicação Social, Teresa Marques refere ter saído do encontro com a "garantia de que estão a fazer tudo para salvaguardar o serviço público de informação e os interesses dos trabalhadores e da agência Lusa".
 
Teresa Marques referiu também que o ministro explicou que o "o processo orçamental não está fechado enquanto o Orçamento do Estado não for votado, no próximo dia 29 de Novembro". 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub