Energia Trabalhadores da Petrogal propõem aumento salarial de 4% em 2017

Trabalhadores da Petrogal propõem aumento salarial de 4% em 2017

Os trabalhadores da Petrogal reunidos esta segunda-feira em plenário na sede da empresa em Lisboa decidiram reivindicar um aumento salarial de 4% para 2017, disse à Lusa um representante da Comissão de Trabalhadores.
Trabalhadores da Petrogal propõem aumento salarial de 4% em 2017
Pedro Elias
Lusa 28 de Novembro de 2016 às 17:10

"Os trabalhadores reunidos em plenário aceitaram a proposta de aumento salarial de 4% no próximo ano, apresentada pelo Sindicato [independente] da Indústria e Comércio Petrolífera (SICOP)", disse à agência Lusa Augusto Valério, da Comissão de Trabalhadores da Petrogal.

 

Segundo Augusto Valério, que também é dirigente da Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Farmacêutica e Energia e Minas (Fiequimental), os trabalhadores ratificaram ainda a proposta de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) das petrolíferas privadas.

 

"O acordo final sobre o ACT das petrolíferas privadas deverá ser ratificado na reunião de terça-feira, caso não haja alguma reviravolta", garantiu à Lusa o dirigente sindical, lembrando que na última reunião com os serviços da Direcção Geral de Emprego e Relações de Trabalho (DEGERT) houve um acordo de princípio entre a Comissão Sindical Negociadora da Fiequimetal, o Sicop e os representantes das petrolíferas privadas".

 

Sobre o Acordo Autónomo entre a Petrogal e os sindicatos, "não tem havido entendimento nas negociações", pois a empresa considera que "o ACT já caducou, mas nós entendemos que não", afirmou Augusto Valério.

 

"Se não houver avanços até ao final deste ano, estamos dispostos a encetar formas de luta mais duras", salientou o sindicalista.

 

No plenário os trabalhadores manifestaram-se também a favor da defesa dos direitos laborais, além da contratação colectiva.

 

A Petrogal é uma das empresas subsidiárias do grupo Galp. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias


A MALTA DA FP E CGA QUER PÔR O PAÍS NA BANCARROTA... OUTRA VEZ.

Podem cortar no orçamento da FP e CGA... Já chularam até demais.

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias


AS ATUAIS PENSÕES SÃO PAGAS PELOS DESCONTOS DOS ATUAIS TRABALHADORES.

Os pensionistas, que hoje estão "entre os críticos mais vociferantes", "não descontaram o suficiente para as reformas que agora gozam", pelo que não faz sentido protestar contra os cortes "como se fosse um roubo nos montantes acumulados".

Se alguém pode dizer-se roubado, não são os atuais pensionistas, mas os seus filhos e netos, que suportarão as enormes dívidas acumuladas nos últimos anos.

Anónimo Há 5 dias


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

PENSÕES DOS ATUAIS TRABALHADORES

Os atuais trabalhadores já tiveram vários cortes nas suas futuras pensões!... Através das várias alterações à sua fórmula de cálculo!

Agora chegou a hora de cortar nos atuais pensionistas.

Anónimo Há 5 dias


Cortar já!

Eu voto sempre nos que cortarem as pensões daqueles que estão a receber muito mais do que descontaram (principalmente os FP, mas não só).

Anónimo Há 5 dias


A MALTA DA FP E CGA QUER PÔR O PAÍS NA BANCARROTA... OUTRA VEZ.

Podem cortar no orçamento da FP e CGA... Já chularam até demais.

ver mais comentários
pub