Empresas Trabalhadores da Soflusa avançam com greve ao trabalho extraordinário

Trabalhadores da Soflusa avançam com greve ao trabalho extraordinário

Os trabalhadores da Soflusa, empresa responsável pelas ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa, vão avançar com uma greve ao trabalho extraordinário, disse à Lusa fonte sindical.
Trabalhadores da Soflusa avançam com greve ao trabalho extraordinário
Lusa 26 de setembro de 2017 às 20:07

"Os trabalhadores da Soflusa, num plenário da Comissão de Trabalhadores, decidiram avançar, para já, com uma greve ao trabalho extraordinário", disse à Lusa Carlos Costa, da Fectrans - Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

 

A Fectrans, em comunicado, refere que já solicitou uma reunião com o ministro da tutela, acrescentado que a situação "vai de mal a pior" nas duas empresas que operam no Tejo, a Soflusa e a Transtejo.

 

Segundo o sindicalista, a situação na Soflusa vai agravar-se com a imobilização de um navio a partir de quarta-feira, o que vai por em causa várias carreiras por dia.

 

"Com a paragem de mais um navio por falta de certificado de navegação, a partir de quarta-feira, são esperadas mais supressões de carreiras na Soflusa, pois ficam apenas cinco navios disponíveis. A situação pode ainda piorar, pois um outro navio pode também vir a ter que parar", afirmou Carlos Costa.

 

Fonte oficial da Soflusa disse à agência Lusa que a administração não recebeu, até ao momento, qualquer aviso prévio de greve e explicou que está a tentar evitar a imobilização do navio. "A Soflusa já solicitou a prorrogação do certificado de navegabilidade do catamarã 'Jorge de Sena', a fim de evitar a sua imobilização", explicou.

 

A Transtejo é a empresa responsável pelas ligações do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com Lisboa, enquanto a Soflusa faz a ligação entre o Barreiro e Lisboa.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub