Comércio Trabalhadores de armazém de Dia barram camiões durante "várias horas" - sindicato

Trabalhadores de armazém de Dia barram camiões durante "várias horas" - sindicato

A greve dos trabalhadores de um armazém da empresa proprietária dos supermercados Dia/Minipreço, em Valongo, no Porto, tem uma adesão de 50%, e uma concentração de funcionários parou camiões "durante várias horas", disse hoje fonte sindical.
Trabalhadores de armazém de Dia barram camiões durante "várias horas" - sindicato
Bloomberg
Lusa 18 de agosto de 2017 às 14:14
A concentração dos trabalhadores perto do armazém, durante a manhã, provocou "congestionamento" no acesso às instalações e "os camiões ficaram barrados várias horas", disse à agência Lusa Pedro Ramalho, do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, ligado à CGTP.

A concentração junta-se à greve, que, neste armazém, com cerca de 120 funcionários, decorre hoje e no sábado.

As iniciativas integram-se num conjunto de acções de protesto que abrangem os armazéns e as lojas da cadeia Dia Portugal Supermercados (lojas Dia/Minipreço e Clarel) para lutar contra a discriminação salarial e o assédio moral que o sindicato diz existir nas unidades da empresa.

"O piquete de greve chegou [à área do armazém de Valongo] às 05:45 e a mobilização dos trabalhadores decorreu das 09:00 às 11:00, tendo corrido bem, com uma adesão no turno da manhã superior a 50%, a mesma esperada para o turno da tarde", relatou Pedro Ramalho.

Na quinta-feira, a greve dos trabalhadores dos supermercados Dia/Minipreço teve uma adesão igualmente superior a 50% e, segundo as contas do sindicato, levou ao encerramento de 80 a 90 lojas em todo o país.

O CESP entregou um pré-aviso de greve ao trabalho suplementar nas lojas, até final do ano.

Até agora, segundo Pedro Ramalho, não foi possível chegar a um entendimento com a empresa Dia Portugal Supermercados e, se assim continuar, "a luta mantém-se e vão ser definidas formas" para concretizá-la.

Além da paralisação nas lojas, o CESP organizou ao longo de vários dias greves e concentrações nos vários armazéns da Dia Portugal Supermercados, em Vialonga (Alverca), Valongo (Porto) e Zibreira (Torres Novas).

A greve foi convocada pelo CESP que acusa a cadeia das lojas Dia/Minipreço e Clarel de "discriminação salarial", considerando que "continua a haver diferenças salariais gritantes entre trabalhadores com a mesma categoria profissional e antiguidade".

O sindicato fala ainda de "situações de assédio moral" no grupo de supermercados, onde diz existirem constantes ameaças de despedimento, tentativas de impedimento da conciliação da vida familiar com a vida profissional, limitação do direito à greve, abusos de autoridade e ameaças de alterações de horários e de transferência de local de trabalho.

O Minipreço tem "mais de 575 lojas" e três armazéns, segundo a informação disponível na sua página na internet.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
saraiva14 18.08.2017

Nestes acredito! Se fazem greves é porque têm razões mais que suficientes para as fazer; não são como os trabalhadores da Refer e outras de transportes que fazem greves por motivos politícos! Desde que o PC está na geringonça já acabaram as greves!