Automóvel Trabalhadores são obstáculo à venda da Ducati pela VW

Trabalhadores são obstáculo à venda da Ducati pela VW

A Volkswagen suspendeu o processo de venda da linha de motas Ducati, segundo avança a Reuters. A oposição dos trabalhadores, que controlam metade da administração, é um dos motivos invocados.
Trabalhadores são obstáculo à venda da Ducati pela VW
Diogo Cavaleiro 04 de setembro de 2017 às 20:23

Os trabalhadores e os sindicatos estão contra a venda da Ducati pela Volkswagen. Foi esse o motivo para que o processo de alienação fosse suspenso, conforme adianta a Reuters.

 

Segundo as fontes da agência Reuters, a força laboral estava contra, independentemente do preço oferecido. E 10 dos 20 assentos do conselho de supervisão da fabricante automóvel alemã são ocupados por representantes dos trabalhadores e dos sindicatos. Este conselho tem de aprovar a transacção.

 

A Ducati é uma marca totalmente detida pela Audi desde 2012, por sua vez propriedade da Volkswagen. A alienação da insígnia de motas é falada desde a primeira metade do ano, tendo inclusive contactado potenciais interessados, como noticiado em Abril.

 

Ora, a empresa alemã pede agora a quem apresentou as propostas que adie a entrega de eventuais ofertas vinculativas pela marca italiana. Segundo a agência, as ofertas pela marca fundada em 1926 ascendem aos 1,5 mil milhões de euros. Fundos de "private equity" e outras fabricantes de motociclos são apontados pela Bloomberg como interessados.

 

A venda da Ducati fazia parte das possibilidades de a Volkswagen se desfazer de activos não estratégicos, como forma de compensar o escândalo das emissões poluentes da fabricante, devido às potenciais indemnizações avultadas. A mudança de orientação da empresa era um dos caminhos a seguir, mas que ainda não está completamente definida – outra das razões que a Reuters diz contribuir para o adiamento e suspensão da operação.

Em Portugal, o grupo germânico teve, na semana passada, um histórico embate com os sindicatos na sua unidade da Autoeuropa.  




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub