Tecnologias Tradiio lança "mega" campanha de "crowdfunding" para entrar nos EUA

Tradiio lança "mega" campanha de "crowdfunding" para entrar nos EUA

A empresa portuguesa de "streaming" de música está a avançar para os Estados Unidos. Como precisa de capital para o fazer, lançou uma campanha de "crowdfunding" na qual pede um financiamento de 600 mil euros.
Tradiio lança "mega" campanha de "crowdfunding" para entrar nos EUA
Bruno Simão/Negócios
Negócios 12 de Outubro de 2016 às 12:08
A Tradiio lançou uma das maiores campanha de "crowdfunding" na Seedrs de uma empresa portuguesa. Está à procura de um financiamento de 600 mil euros com os olhos do maior mercado de música: os Estados Unidos da América.

Em comunicado, a empresa diz mesmo que se trata da maior campanha de "crowdfunding" "de sempre feita por empresas portuguesas".

A empresa quer angariar 600 mil euros, garantindo aos investidores 13% do capital, o que avalia a empresa em quatro milhões de euros. Em comunicado, a Tradiio acrescenta que o "encaixe irá servir para lançar a Tradiio nos Estados Unidos e escalar o modelo a milhões de artistas".

A campanha já conseguiu 37% do objectivo. Ficará activa durante 60 dias.

Um dos fundadores e CEO da empresa, Álvaro Gomez, é citado no mesmo comunicado explicando que consideraram que o crowdfunding era a melhor forma, nesta fase, de financiamento, acrescentando tratar-se de uma oportunidade para "envolvermos a comunidade portuguesa na internacionalização doTradiio nos Estados Unidos a partir de Los Angeles".


A Tradiio foi lançada em 2014 como plataforma para lançamento de novos projectos de música. Actualmente tem um catálogo de 30 mil artistas. Através da plataforma, os utilizadores podem ajudar a financiar esses novos projectos musicais, em troca de conteúdos exclusivos. A empresa foi fundada por 
Álvaro Gomez, André Moniz e Miguel Leite. Depois de Portugal, Brasil e Inglaterra a Tradiio quer agora chegar aos Estados Unidos. 

Para isso escolheu a Seedrs, plataforma de crowdfunding,que tem sido já rampa de financiamento de outros projectos nacionais, como a 
Coacher, a Agroop, a Climber Hotel ou a eSolidar.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

pub