Telecomunicações Tráfego de internet móvel sobe 21,5% para recorde e Nos aproxima-se da Meo

Tráfego de internet móvel sobe 21,5% para recorde e Nos aproxima-se da Meo

O tráfego de internet em Portugal não tem parado de subir e atingiu valores históricos no terceiro trimestre deste ano. A Meo mantém-se o principal operador de banda larga fixa e móvel, mas a Nos está a aproximar-se em ambos.
Tráfego de internet móvel sobe 21,5% para recorde e Nos aproxima-se da Meo
Bloomberg
Bruno Simões 18 de dezembro de 2017 às 13:53

O acesso à internet, seja através de ligações fixas ou através de redes móveis, atingiu máximos históricos no terceiro trimestre deste ano, divulgou esta manhã a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). Nesse período, o tráfego subiu 10,7%, um resultado que reflecte particularmente uma subida de 21,5% dos acessos através de banda larga móvel.

 

De acordo com um comunicado da Anacom, também o tráfego de banda larga fixa – que representa a esmagadora maioria do acesso à internet, 93,4% – aumentou 10%.

 

O tráfego médio mensal de cada acesso à banda larga fixa foi de 78 gigabytes (GB) e o tráfego médio gerado por clientes de banda larga móvel (com utilização efectiva) foi de 2,8 GB. Foi este o consumo médio de internet através de telemóvel – um valor que sobe para 12,5 GB se estivermos a falar de internet móvel consumida por tablets ou computadores pessoais (através de placas móveis, por exemplo).

 

"No que respeita à banda larga móvel, o número de utilizadores que efectivamente utilizaram o serviço aumentou 13,1% face ao trimestre homólogo", prossegue a Anacom. Cifrou-se em 6,95 milhões de clientes em Setembro.

 

Ainda segundo os dados da Anacom, a internet de banda larga fixa chegava a 70,8 em cada 100 famílias no final de Setembro último. E nos lares que têm acesso fixo à internet, estima-se que 98,6% o tenham contratado através de um pacote de serviços (em regra com televisão e/ou telefone).

 

No final de Setembro houve mais de 3,5 mil milhões de acessos à internet através de banda larga fixa, uma subida de 195 mil acessos face ao mesmo período do ano passado. A fibra óptica já é a "principal forma de acesso à Internet em banda larga fixa", representando 37,1% dos acessos, seguida do cabo (32,8%) e ADSL (22,3%). O acesso à internet 4G (LTE) em local fixo representou 7,7%

 

Meo continua a liderar mas Nos aproxima-se

 

A Meo continua a ser a operadora com mais acessos fixos e mais clientes de internet móvel, mas viu a Nos aproximar-se em ambos, especialmente no mercado residencial. No terceiro trimestre deste ano, a marca do grupo Altice detinha uma quota de 39,5% dos acessos fixos, uma queda de 2,3 pontos face ao mesmo período de 2016. Já a Nos teve uma quota de 37,5%, o que evidencia uma subida de 0,3 pontos. As duas operadoras estão, assim, separadas por apenas dois pontos.

 

A Vodafone surge na terceira posição, com uma quota de 18,5% dos acessos (subida de 1,8 pontos), e o grupo Apax, que detém a Nowo e a Oni, apresentou uma quota de 4,3% (aumento de 0,2 pontos).

 

Olhando para o mercado de internet móvel, a Meo também continuou a liderar entre Julho e Setembro últimos, com 38,3% dos clientes, uma queda de três pontos face a igual período de 2016. Tal como no mercado de internet fixa, a Nos registou uma subida de um ponto percentual para uma quota de 31,7% dos clientes. A Vodafone tinha 28,6% dos clientes (subida de 1,3 pontos). A Nowo registou uma quota de 1,1%.

 

As receitas geradas pelos acessos em banda larga fixa totalizaram 1.340 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano (mais 6,8% que no período homólogo). Nesse período, os proveitos da internet móvel atingiram 280 milhões de euros (7,8% acima do mesmo período de 2016).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar