Telecomunicações Tráfego do serviço universal postal caiu 8,5% até Setembro

Tráfego do serviço universal postal caiu 8,5% até Setembro

As encomendas impulsionaram o aumento das receitas dos serviços postais para 152 milhões de euros no terceiro trimestre de 2017. O tráfego postal do serviço universal, prestado pelos CTT, diminuiu 8,5%.
Tráfego do serviço universal postal caiu 8,5% até Setembro
Bloomberg
Sara Ribeiro 05 de janeiro de 2018 às 13:14

O tráfego dos serviços postais continua a cair. No terceiro trimestre de 2017 houve uma queda de 7,1% face ao período homólogo. De acordo com os dados divulgados pela Anacom esta sexta-feira, 5 de Janeiro, durante esse período foram distribuídos cerca de 180 milhões de objectos.

Pelo contrário, as receitas provenientes deste segmento subiram 0,7% para 152 milhões de euros. Um crescimento impulsionado pelo tráfego de encomendas que foi responsável por 27% das receitas, contra 26,4% no período homólogo. A receita média por objecto aumentou 8,4% face ao trimestre homólogo, detalha o regulador.

Do total de objectos distribuídos, "95,5% destinaram-se ao mercado nacional, enquanto os restantes 4,5% tiveram como destino outros países. Cerca de 79,2% do tráfego postal dizia respeito a correspondências, 7,3% era correio editorial e 7,9% publicidade endereçada". As encomendas representaram 5,6% do tráfego total, o que traduz uma subida de 5,1% face ao trimestre anterior e de 0,5% em termos homólogos.

No que toca ao tráfego do serviço universal postal, que representa 84,1% do total, diminuiu 8,5% face ao período homólogo.

Os CTT continuam a dominar o segmento com uma quota de 91,7% do tráfego postal total. No entanto, a fatia tem vindo a diminuir. No terceiro trimestre do ano anterior registava uma quota de 92%, enquanto que no segundo trimestre de 2017 chegava aos 92,6%.

De acordo com os dados publicados pela Anacom, no terceiro trimestre de 2017 o número de pontos de acesso aumentou 0,6% face ao período homólogo. Já os centros de distribuição diminuíram 0,2% e a frota de veículos também recuou 1,2%.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 07.01.2018

O BancoCtt baixou a taxa bruta de remuneração dos depósitos a prazo a partir de 05/01/2018 para 0,15% ao ano.
A taxa anual de inflacção prevista é de 1,5%. Portanto a inflacção é 10 vezes superior à taxa de remuneração.
100.000,00 euros depositados a prazo valem ao fim de um ano menos 1.350,00 euros.
Mas o BancoCtt não é dos piores.

comentários mais recentes
Anónimo 07.01.2018

O BancoCtt baixou a taxa bruta de remuneração dos depósitos a prazo a partir de 05/01/2018 para 0,15% ao ano.
A taxa anual de inflacção prevista é de 1,5%. Portanto a inflacção é 10 vezes superior à taxa de remuneração.
100.000,00 euros depositados a prazo valem ao fim de um ano menos 1.350,00 euros.
Mas o BancoCtt não é dos piores.

Marocas 05.01.2018

Se a ex-assessora do Cabrita, PS, Paula Meira Lourenço, for para administradora da ANACOM...tudo será resolvido . A contento de quem?

Manuel 05.01.2018

Os CTT tem que se reinventar, tal como a CGD, optar por "estações" ambulantes e negociar com o governo soluções. O povo não pode ser esquecido.

Anónimo 05.01.2018

Se tráfego baixa 8,5% significa que há menos cartas para distribuição se assim é porque é que antes quando havia mais correio eu recebia cartas diariamente, e em data aceitável, agora recebo uma vez por semana e com dias de atraso? Bota não bate com a perdigota.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub