Transportes Tráfego nas auto-estradas da Brisa cresce 3,3% até Março

Tráfego nas auto-estradas da Brisa cresce 3,3% até Março

A circulação na rede da Brisa Concessão Rodoviária cresceu mais de 3% no primeiro trimestre deste ano, mesmo sem os efeitos positivos da Páscoa e do ano bissexto de 2016.
Tráfego nas auto-estradas da Brisa cresce 3,3% até Março
Bruno simão
Maria João Babo 15 de maio de 2017 às 18:00

A Brisa Concessão Rodoviária (BCR), que gere as auto-estradas que integram a concessão principal da Brisa, registou no primeiro trimestre um aumento do tráfego de 3,3%, não tendo contado com o efeito positivo da Páscoa, que este ano foi em Abril, nem com o efeito do ano bissexto como aconteceu em 2016.

De acordo com os dados de tráfego divulgados pela BCR em comunicado à CMVM, nos primeiros três meses deste ano o crescimento orgânico do tráfego foi de 6,5%, sendo que o efeito calendário resultou uma diminuição de 2,3% face ao mesmo período de 2016. O efeito negativo do ano bissexto foi, por seu lado, de 0,9%.

Na rede da BCR, a A9 – CREL – foi a auto-estrada a registar o maior crescimento no trimestre, de 12,5%, seguindo-se a A5, entre Lisboa e Cascais, com um aumento de 7,6% na circulação.

A auto-estrada do Norte – A1 – apresentou um acréscimo de 3,2% do tráfego até Março, enquanto a auto-estrada do Sul – A2 – de 3,5%.

Em 2016 a BCR apresentou um aumento da circulação de 7%.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Y 15.05.2017

Bom indicador, queremos muita circulação de bens e serviços, o índice de mobilidade é um fator relevante

Anónimo 15.05.2017

As autoestradas do Sócrates estão às moscas era o que apregoavam os do PaV...

pub