Banca & Finanças Tranquilidade muda nome para Seguradoras Unidas após fusão com Açoreana

Tranquilidade muda nome para Seguradoras Unidas após fusão com Açoreana

As marcas das companhias seguradoras alvo de fusão na Tranquilidade (Açoreana, Logo e T-Vida) vão manter-se separadas mas a sociedade de topo vai mudar de nome. A companhia reforça que não há qualquer impacto no cliente.
Tranquilidade muda nome para Seguradoras Unidas após fusão com Açoreana
Diogo Cavaleiro 02 de janeiro de 2017 às 13:32

Após a fusão com a Açoreana, Logo e T-Vida, a Tranquilidade mudou a sua designação. Agora, a empresa de topo do grupo segurador vai responder a um novo nome: Seguradoras Unidas S.A.

 

A autorização para a Companhia de Seguros Tranquilidade alterar o seu nome para Seguradoras Unidas foi tomada na passada terça-feira, 27 de Dezembro, numa reunião do regulador do sector, a ASF – Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

 

A designação social da sociedade de topo muda mas "Tranquilidade, Açoreana e Logo continuam a ser as marcas comerciais, com a sua identidade própria", assinala um comunicado disponível no site da companhia que pertencia ao Grupo Espírito Santo e que foi comprada pelo fundo americano Apollo no início de 2015. É por esse motivo que a empresa garante que o processo "não tem qualquer impacto nos clientes".

 

"A fusão legal traz um ganho de dimensão e de escala, algo que vai reforçar a oferta de produtos e serviços para clientes e parceiros de distribuição (corretores e agentes). Esta operação permite ainda uma gestão de capital mais adequada e uma harmonização do modelo de governo e dos mecanismos de controlo", assegura o mesmo comunicado. Foi a 27 de Dezembro que a fusão por incorporação das companhias na Tranquilidade foi autorizada pelo regulador liderado por José Almaça.

 

A Logo e a T-Vida já integravam o mesmo grupo segurador da Tranquilidade mas a Açoreana foi adquirida pela companhia no ano passado, pelo que a Apollo defende ter agora o segundo maior grupo do ramo não vida.

 

O fundo Apollo ficou com as duas companhias prejudicadas pela aplicação de medidas de resolução a bancos (BES e Banif). Antes de a fusão ocorrer, o grupo abriu um plano de rescisões voluntárias para os trabalhadores com mais de 59 anos, tendo obtido a adesão de 4% do quadro. O grupo, cujo presidente executivo é Jan Adriaan de Pooter, tem 1.370 funcionários.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
FERNANDO PEREIRA 09.01.2018

Por lapso pos anônimo a minha insatisfação. Peço desculpa. FERNANDO PEREIRA

Anónimo 09.01.2018

O porquê? De não assumir o compromisso, uma vez que sabiam que o banco tinha empréstimo há habitação e que estavam a ser pagos.Ou será que vocês compram nabos em vez de ouro? Se vocês sao uma instituição idonia, e querem que o povo acredite em vocês, assumam, o BOM E O MENOS BOM.Se é o caso.

Fernando Manuel Silvestre Pereira 09.01.2018

Eu não fiz nenhum contrato com o governo.Quando pedi o emprestimo ao banco,como por lei tinha que ter uma seguradora. Após tudo acordade ,comigo e a companhia de seguros, Todos os meses me foi debitado o valor acordado.O Banif foi comprado pelo Santander, mas todos meses foidebitato valor acordado.

Anónimo 29.12.2017

Com estas fuzôes os clientes da Açoreana é que sofrem na pele pois está a decorrer uma situação que tive que recorrer á proteção juridica ára uma tentativa de resolução de um sinistro pois a Tranquilidade por um erro do seu mediador não assume o problema.

pub