Aviação Transavia aumenta voos de e para Portugal

Transavia aumenta voos de e para Portugal

As frequências das quatro rotas que a companhia aérea iniciou no Verão passado vão continuar durante o Inverno. Em termos homólogos são mais 569 voos de e para Portugal e um acréscimo de 220 mil lugares.
Transavia aumenta voos de e para Portugal
Negócios 02 de Novembro de 2016 às 13:21

A Transavia, companhia low cost que integra o grupo Air France KLM, anunciou esta quarta-feira um aumento do número de voos e de lugares disponíveis este Inverno IATA, que teve início esta terça-feira, 1 de Novembro, e termina a 31 de Março de 2017.

Em comunicado, a empresa sublinha que em termos homólogos, há um reforço de 39% do número de voos de e para Portugal, de 1.468 para 2.037, ou seja, mais 569. Também os lugares disponíveis têm um incremento, face ao Inverno passado, de 36,5%, passando de 600.000 para 820.000.

Para a companhia aérea, "estes dados reflectem o crescimento da capacidade na globalidade da operação da Transavia Portugal esta época, sendo ainda uma consequência da continuação de quatro das seis rotas apresentadas este Verão (Faro-Munique, Lisboa-Munique, Porto-Munique e Lisboa-Lyon)".

Hervé Kozar, director-geral adjunto comercial da Transavia, afirma, citado no comunicado, que "Portugal é um mercado cada vez mais crucial para a globalidade da operação da Transavia e este incremento na capacidade reflecte o interesse crescente dos nossos passageiros de lazer e negócios por destinos de referência na Europa… em ambos os sentidos e durante todo o ano".

"Além da estratégia expansionista para o Verão de 2017 recentemente anunciada, estamos também a aumentar a frequência de voos no Inverno para ir ao encontro de uma procura crescente em ambos os sentidos nesta época em particular", acrescenta o responsável.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub