Aviação Transavia reforça este ano em 25% a oferta em Portugal

Transavia reforça este ano em 25% a oferta em Portugal

Dez anos após o arranque da rota Porto-Paris, que marcou o início da operação da Transavia France, em 2007, a companhia franco-holandesa reafirma a importância de Portugal na sua rede, país onde vai reforçar a capacidade em 25%.
Transavia reforça este ano em 25% a oferta em Portugal
Lusa 14 de maio de 2017 às 16:50

Em entrevista à agência Lusa, a presidente executiva da Transavia France afirmou que, este ano, a oferta da Transavia nas rotas para Portugal vai ascender a 2,8 milhões de lugares, contra 2,1 milhões em 2016 (considerando o Porto, Lisboa, Faro e Funchal), o que faz do país o primeiro mercado para a Transavia France e o segundo mercado mais importante para toda a rede Transavia.

 

Segundo recordou Nathalie Stubler, a rota Porto-Paris foi não só a primeira a ser operada pela companhia, em maio de 2007, como é a que oferece o maior número de frequências em toda a rede da 'low cost' (companhia aérea de baixo custo) do grupo KLM e Air France.

 

"A rota Porto-Paris Orly é histórica porque marca o início da nossa operação em Portugal, mas também o começo da história de sucesso da Transavia France. Dez anos depois, Portugal é definitivamente uma aposta ganha para a companhia, que continua a consolidar a sua posição neste mercado e a reforçar a operação no país", afirmou.

 

Segundo a responsável, desde 2007 a Transavia transportou um total de 2,5 milhões de passageiros em 15.000 voos entre o Porto e Paris-Orly e um total de nove milhões de passageiros em 64.000 voos de e para Portugal.

 

No caso da rota Porto-Paris, que iniciou operação em maio de 2007 com um voo diário, a Transavia vai reforçá-la no verão das actuais quatro para cinco frequências diárias, o que significa um aumento de 29% da oferta de lugares face ao ano passado.

 

Se forem consideradas todas as ligações entre o Porto e aeroportos franceses (incluindo Nantes e Lyon), a Transavia France vai reforçar este ano a sua oferta em 35%.

 

De acordo com Nathalie Stubler, os passageiros das rotas portuguesas da Transavia, nomeadamente entre o Porto e Paris, viajam quer em visita a familiares e amigos, quer em negócios ou turismo: "Temos todo o tipo de passageiros, é um bom 'mix'", disse à Lusa, sublinhando as muito elevadas taxas de ocupação registadas e os crescimentos observados "em todos os segmentos".

 

"Do ponto de vista turístico o Porto é muito falado em França como um bom destino de 'city break' e um estudo recente apontou-o como a cidade a visitar em 2017", afirmou, salientando a crescente notoriedade deste destino em França, nomeadamente para o turismo de negócios.

 

Com três bases em França -- em Orly, Nantes e Lyon -- a Transavia France continua sem planos a curto prazo para vir a abrir uma base no Porto (onde actualmente já pernoita diariamente um avião da companhia) ou em Portugal, considerando que não compromete a aposta em Portugal, onde a Transavia é actualmente a quarta companhia em termos de passageiros transportados.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 14.05.2017

Nao e surpresa,mas triste:os outros virem cultivar os nossos terrenos,so porque temos importancia demais para os trabalharmos.Dr. Salazar deixou fome dizem os radicais,mas tao depressa acostumaram-se ao fastio.Se ha homens que nunca deviam morrer ELE era um deles.

pub