Telecomunicações Transferência de 118 trabalhadores da PT para empresas da Altice e Visabeira concluída hoje

Transferência de 118 trabalhadores da PT para empresas da Altice e Visabeira concluída hoje

As empresas que vão ficar com estes trabalhadores vão manter o salário e regalias como o seguro de saúde por 12 meses, com os sindicatos a manifestarem receios quanto à viabilidade económica e financeira da Tnord e Sudtel ao fim de um ano e a sua capacidade em continuar a pagar salários.
Transferência de 118 trabalhadores da PT para empresas da Altice e Visabeira concluída hoje
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 22 de julho de 2017 às 10:02

Cento e dezoito trabalhadores da PT Portugal passam a partir de hoje a laborar em empresas detidas pelo grupo Altice e Visabeira, no âmbito de um processo que levou a uma greve na sexta-feira na operadora de telecomunicações.


Em 30 de junho, foi tornado público que a PT Portugal iria transferir 118 trabalhadores para empresas do grupo Altice - Tnord e a Sudtel - e ainda para a parceira Visabeira, utilizando a figura de transmissão de estabelecimento (transferência de empresa).


Do total, 96 trabalhadores são projectistas (desenham traçados de rede) e 22 são do Centro de Certificação Técnica de Torres Novas.


Entre os projectistas, 74 são transferidos para a Altice Technical Services (ATS), ficando divididos entre as empresas Tnord e a Sudtel, e os restantes 22 vão para o grupo Visabeira, antiga acionista da operadora e parceira histórica.


Já os 22 trabalhadores do Centro de Certificação Técnica vão para a ATS.


A idade média dos trabalhadores transferidos é 50 anos.


As empresas que vão ficar com estes trabalhadores vão manter o salário e regalias como o seguro de saúde por 12 meses, com os sindicatos a manifestarem receios quanto à viabilidade económica e financeira da Tnord e Sudtel ao fim de um ano e a sua capacidade em continuar a pagar salários.


Já no início de junho, a operadora anunciou a transferência de outros 37 trabalhadores da área informática da PT Portugal para a Winprovit.


Os sindicatos afectos à PT e a Comissão de Trabalhadores convocaram a greve de sexta-feira em protesto contra a transferência de trabalhadores da operadora de telecomunicações, apontando que a adesão nacional foi de 70%, enquanto a operadora de telecomunicações refere 19%.

Em declarações à Lusa, Jorge Félix, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Portugal Telecom (STPT) disse que os 118 trabalhadores, "em princípio", vão continuar a laborar "no mesmo lugar, com as mesmas chefias e computadores", "apenas fazendo agora parte de outras empresas".


Ou seja, mudam de empresa, mas mantêm-se nas mesmas instalações, explicou.

O sindicalista adiantou que os advogados vão-se reunir para preparar um processo central contra a Altice, por considerarem que está "a aplicar a figura jurídica de transmissão de estabelecimento de forma abusiva".


O grupo Altice, que anunciou em 14 de julho que chegou a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, numa operação avaliada em 440 milhões de euros, adquiriu a PT Portugal há dois anos.


Em 12 de julho, no debate sobre o estado da Nação, na Assembleia da República, após questões colocadas pelos deputados, António Costa afirmou: "Receio bastante que a forma irresponsável como foi feita aquela privatização [pelo anterior governo] possa dar origem a um novo caso Cimpor, com um novo desmembramento que ponha não só em causa os postos de trabalho, como o futuro da empresa".


O português e cofundador da Altice Armando Pereira declarou, entretanto, que o Governo português, "muitas vezes, não vê essa importância" do investimento que está a ser feito na economia de Portugal.


Na quinta-feira, o secretário de Estado do Emprego anunciou, no parlamento, que "está já em curso uma ação inspetiva" desencadeada pela Autoridade das Condições de Trabalho (ACT) sobre o processo de transferência de trabalhadores da PT Portugal para outras empresas, com os trabalhadores a considerarem que a entidade não vai conseguir resolver o problema.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 24.07.2017

Coitados ao fim de 12 meses estão no subsídio de desemprego... gostava de saber que tipo de indemnizações vão ter direito ao fim desse período? Este vai ser o modelo de gestão de RH...