Aviação Transportadora aérea angolana anuncia "ajustes" ao "excessivo" número de trabalhadores

Transportadora aérea angolana anuncia "ajustes" ao "excessivo" número de trabalhadores

O presidente do conselho de administração da Transportadora Aérea Angolana (TAAG), José Kuvingua, anunciou esta quinta-feira que a sua direcção vai "ajustar o excessivo número de trabalhadores" com as "reais necessidades" para o funcionamento da operadora estatal.
Transportadora aérea angolana anuncia "ajustes" ao "excessivo" número de trabalhadores
Lusa 18 de janeiro de 2018 às 14:30
"A primeira coisa será o reenquadramento do pessoal de acordo com as reais necessidades, portanto poderá correr transferências internas e também o cancelamento dos enquadramentos ou recrutamentos sem propósitos justificados", disse José Kuvingua.

Em declarações à imprensa a margem da Conferência Internacional sobre a Aviação Civil, promovida, esta quinta-feira, 18 de Janeiro, pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) em parceria com TAAG o responsável recordou que a medida consta do plano de reestruturação da transportadora.

"O que pesa mais na TAAG são os custos com o pessoal, portanto temos um número excessivo de trabalhadores para aquilo que é a quantidade de equipamentos que dispomos, e sabemos que uma das grandes metas do processo de reestruturação é ajustar a quantidade de trabalhadores", explicou.

José Kuvingua referiu ainda que no âmbito do programa de refundação da companhia área angolana muita coisa já foi feita, apontando as "melhorias no seu funcionamento e redução dos atrasos" como alguns dos principais ganhos.

"Temos ainda a equação do número de trabalhadores em relação aos equipamentos e a organização da sua própria estrutura interna, portanto isto é um programa que deve ser continuidade", assegurou.

Questionado sobre a abertura dos céus de Angola pretensão manifestada pelo presidente da IATA com intuito de "tornar as viagens mais acessíveis e daí arrecadar mais receitas" o presidente da TAAG garantiu que questão "está já a ser equacionada" pelo Governo angolano.

"A questão da abertura dos céus é da responsabilidade do Governo no âmbito das suas relações com os outros países no quadro dos acordos internacionais, é uma questão que o Estado está a equacionar e na devida altura vai de certeza ratificar estes acordos e aí sim faremos o uso desta ferramenta", concluiu.



pub