Transportes Transportes com mais passageiros no terceiro trimestre

Transportes com mais passageiros no terceiro trimestre

O movimento de passageiros nos aeroportos nacionais registou um aumento de 14,7% entre Julho e Setembro. Também a utilização do comboio, metro e barco está a crescer.
Transportes com mais passageiros no terceiro trimestre
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 22 de dezembro de 2017 às 11:51

O movimento de passageiros nos aeroportos nacionais atingiu os 16,9 milhões no terceiro trimestre deste ano, o que equivale a um crescimento de 14,7%, revelam dados da actividade dos transportes divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

As aterragens nos aeroportos nacionais ascenderam a 63,3 mil aeronaves em voos comerciais, mais 10,7%, levando a que pela primeira vez fossem ultrapassados 60 mil num trimestre. As aterragens nos aeroportos do Continente registaram uma subida de 11%, enquanto a região autónoma dos Açores o acréscimo foi de 15,6%.

No aeroporto de Lisboa registaram-se oito milhões de passageiros (47,3% da totalidade nos aeroportos nacionais), "atingindo este valor pela primeira vez, num trimestre", refere o INE, apontando um crescimento de 16%. Em Faro e Porto tiveram lugar aumentos de 14% e 13,5%, respectivamente, ou seja, 3,5 milhões e 3,2 milhões de passageiros.

No terceiro trimestre, a oferta de transporte nos aeroportos nacionais traduziu-se em 19,8 milhões de lugares, o que equivale a 13%, dos quais 16 milhões em tráfego internacional (mais 14%). A taxa de ocupação (passageiros/lugares) situou-se em 84,2%.


Já por comboio e por metropolitano, adianta por outro lado o INE, registaram-se no terceiro trimestre aumentos de 6,3% e 3,8% nos passageiros transportados, respectivamente.

Os metropolitanos de Lisboa, Porto e Sul do Tejo transportaram 54,1 milhões de passageiros, o que significa um aumento de 3,8%. O INE sublinha que "todos os meses do trimestre evidenciaram evoluções positivas, salientando-se Agosto", quando a subida foi de 4,7%.

No metropolitano de Lisboa houve um aumento de 3,6%, abaixo dos 4,5% atingidos no segundo trimestre, para um total de 37,3 milhões de passageiros, sendoa taxa de utilização de 21,7% (menos 1,1 pontos percentuais.). No metro do Porto registou-se uma subida de 4,8%, acima dos 2,1% do trimestre anterior, tendo sido transportados 14,1 milhões de utentes.

Também o número de passageiros transportados por modo ferroviário manteve a tendência de crescimento. No total somaram 35,5 milhões, o que significa um acréscimo de 6,3%.

No tráfego suburbano foram registados 30,9 milhões de passageiros (mais 6,4%) e nas deslocações interurbanas 4,5 milhões (mais 5,7%). Já as deslocações internacionais totalizaram 80 mil passageiros e, tal como no trimestre anterior, registaram o maior acréscimo entre os três tipos de tráfego, de 9,6%.

Também o transporte fluvial de passageiros registou um acréscimo no período em análise. Os passageiros transportados por via fluvial totalizaram 6,6 milhões no terceiro trimestre, dos quais 97,9% em travessias nacionais. De acordo com o INE, verificou-se o transporte de 4,2 milhões no rio Tejo, ou seja, mais 4,2%.

Relativamente às mercadorias movimentadas neste período, o INE refere que nos portos nacionais houve um aumento de 0,5%, enquanto por ferrovia foi registado um crescimento de 7,1% nas toneladas transportadas.No transporte rodoviário de mercadorias sentiu-se um abrandamento no terceiro trimestre - com um acréscimode 2,9% - comparativamente com o anterior (quando somou 4,2%), em termos de toneladas transportadas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub