Banca & Finanças Três associações de lesados do BES e Banif queixam-se de serem excluídas de solução

Três associações de lesados do BES e Banif queixam-se de serem excluídas de solução

As três associações de clientes lesados com produtos financeiros adquiridos aos balcões do BES e do Banif ouvidas esta quinta-feira no parlamento criticaram a sua exclusão da proposta de lei que visa viabilizar uma solução para esta situação.
Três associações de lesados do BES e Banif queixam-se de serem excluídas de solução
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 06 de julho de 2017 às 21:57

A primeira audição nos trabalhos de hoje da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) coube à Associação de Defesa dos Clientes Bancários (ABESD), que contou com António Borges como porta-voz.

 

O responsável revelou que a entidade, criada em Julho de 2014, ainda antes da resolução do Banco Espírito Santo (BES) - quando já se adivinhavam problemas no banco - conta com cerca de 110 associados, com idades entre os 45 e os 70 anos, alguns emigrantes e outros residentes em Portugal, com investimentos em papel comercial e outras aplicações financeiras do Grupo Espírito Santo (GES) na ordem dos 50 milhões de euros.

 

"O que conhecemos do acordo [para ressarcir parcialmente os lesados do BES] é só através da comunicação social. Ficámos de fora do grupo de trabalho e nenhum dos nossos associados está contemplado nesta solução", lançou, explicando que os associados da ABESD "têm as contas em sucursais estrangeiras, apesar de os produtos terem sido subscritos na Avenida da Liberdade [em Lisboa] ou em qualquer balcão do BES" em território português.

 

Em relação à proposta de lei que está em cima da mesa, "não é justa nem equitativa e não tem igualdade de tratamento para todos os lesados do BES", disse à Lusa António Borges no final da audição parlamentar, admitindo que ainda confia que os associados da ABESD sejam incluídos numa solução que lhes permita minimizar as perdas.

 

Depois, foi a vez de serem ouvidos os responsáveis da Associação de Emigrantes Portugueses Lesados na Venezuela, Vasco Barros e Lígia de Freitas, que também pediram aos deputados que incluam os seus associados numa solução.

 

"Estamos confiantes de que os deputados vão reconhecer a nossa situação, que fomos enganados, e vão conseguir arranjar uma solução para a nossa situação", afirmou Lígia de Freitas, que traçou o perfil dos "lesados da Venezuela".

 

Em causa estão quase 200 pessoas, quase na totalidade oriundas da Madeira, "que trabalharam quase toda a sua vida na Venezuela" e que se encontram numa "situação dramática" por terem sido "enganadas" ao subscreverem produtos de risco do GES quando pensavam estar a aplicar o dinheiro em produtos com capital garantido, segundo Vasco Barros.

 

"Não eram investidores, muito menos investidores qualificados. São pessoas simples, com pouca escolaridade, que colocaram as poupanças de uma vida em depósitos a prazo e ficaram sem nada", vincou.

 

A associação representa actualmente cerca de 30% dos 200 lesados na Venezuela, com um montante correspondente a cerca de 50 milhões de euros. "Somos todos da Madeira e os nossos produtos foram todos comprados na Madeira, mas depois de o dinheiro entrar no BES perdemos o controlo sobre o dinheiro, que foi enviado para o estrangeiro, para países como o Panamá", assegurou Vasco Barros perante os deputados, referindo que "há produtos [GES] que praticamente só foram vendidos às pessoas da Madeira na Venezuela e na África do Sul".

 

Depois, foi a vez da Associação de Lesados do Banif (ALBOA) que, através do porta-voz Jacinto Silva, apelou para que seja respeitado o princípio constitucional da igualdade. "No caso particular do Banif, todos os lesados ficariam excluídos", assinalou o responsável, pedindo que seja encontrada uma "solução legislativa que ofereça a todos os portugueses o mesmo tratamento".

 

O objectivo é permitir o "acesso dos lesados do Banif ao fundo de recuperação de crédito" que pretende operacionalizar a solução que minorará as perdas" destes clientes bancários de dois bancos que foram alvo de resolução, o BES em 2014 e o Banif em 2015.

 

"A proposta de lei existente [ainda provisória] é muito limitativa no âmbito. É direccionada. Não temos nada contra os lesados do papel comercial do BES. Mas temos que dizer aqui uma coisa, nós somos lesados de um banco público e o BES era um banco privado", realçou Jacinto Silva.

 

De resto, a ALBOA entende que "não faz sentido que [a futura lei] seja restritiva", sublinhando que, "mesmo que a lei seja aprovada, não quer dizer que resolva os problemas dos lesados" que, segundo Jacinto Silva, foram "vítimas de más práticas evidentes de comercialização enganosa".

 

No final da audição, o porta-voz da ALBOA disse à Lusa que este encontro na Assembleia da República foi "extremamente útil" e que está "esperançado de que haja um alargamento da proposta de lei" que permita a integração dos lesados do Banif.

 

Caso tal não aconteça, o responsável considerou que se trataria de uma "perfeita injustiça", já que se estaria a "proteger um grupo de lesados de um banco que era privado e a abandonar os lesados do Banif, que era um banco público".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
TinyTino 07.07.2017

Não fizeram puto, não chegaram a acordo e agora queixam-se? Tenham juízo

Invicta 07.07.2017

E o que fizeram para serem incluídos? Que se saiba, nada. É que, os associados da AIEPC, já gastaram muito dinheiro e tempo.

Anónimo 06.07.2017

Nacionalizar ou estatizar o que supostamente seria admissível de ser nacionalizado ou estatizado numa óptica de serviço público e interesse nacional e incorporado no Sector Empresarial do Estado, como utilities, serviço postal, transportadora de bandeira, banco estatal, arsenal ou empresa de telecomunicações, é problemático em Portugal porque o Estado é mau gestor e segundo a versão oficial desse mesmo Estado, e seus sindicatos, se convencionou que não existe, existiu ou alguma vez existirá excedentarismo porque o mirabolante mote diz que não existem forças de mercado do sector público para dentro e por isso não se pode reestruturar uma organização portuguesa com recurso a despedimentos ou desalocação de oneroso factor produtivo trabalho que seja desnecessário e injustificável à luz dos mais básicos e elementares princípios da boa gestão lean, da racionalidade económica, do avanço tecnológico e das condições de oferta e procura reais existentes em dado momento ou período de tempo.

pub
pub
pub
pub