Banca & Finanças Três em cada quatro portugueses usam telemóvel para as finanças

Três em cada quatro portugueses usam telemóvel para as finanças

A segurança e privacidade permanecem uma preocupação na utilização dos telemóveis para fazer pagamentos. De qualquer modo, a utilização continua a aumentar, segundo um estudo da empresa do sector, a Visa.
Três em cada quatro portugueses usam telemóvel para as finanças
Diogo Cavaleiro 21 de setembro de 2017 às 12:48

Há anos que os telemóveis não servem só para telefonar. Nem mandar mensagens escritas. Três em cada quatro portugueses usam os seus equipamentos móveis para fazer operações financeiras, não apenas pagamentos, mas também para a disponibilização de serviços. A proporção é ligeiramente inferior à europeia, segundo a Visa.

 

O estudo anual Digital Payments mostra, segundo a nota de imprensa divulgada esta quinta-feira 21 de Setembro (a Visa não o divulga na totalidade, apesar do pedido do Negócios), que "77% dos europeus e 75% dos portugueses utilizam agora os seus dispositivos móveis para acompanhar as suas finanças e realizar pagamentos diários, como contas, estacionamento e actividade de lazer". É a maior percentagem de sempre.

 

Na prática, não estão em causa apenas pagamentos, mas consulta de saldos ou acesso a aplicações que paguem determinados serviços. Especificamente, de acordo com o estudo, "59% dos portugueses verificam o saldo ou acedem a outros serviços através de uma aplicação bancária".

 

Já no que diz respeito a transferências a partir de um dispositivo móvel ou tablet, a percentagem é inferior: 42% dos portugueses face a 45% dos europeus.

 

Segundo o comunicado relativo ao estudo da Visa, empresa de pagamentos, é referido que a população mais jovem é a que mais adesão tem a estes serviços: "86% dos inquiridos com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos afirmam ser utilizadores do ‘mobile money’". A percentagem nacional é ligeiramente mais baixa: 81%.

 

Apesar dos números mostrarem valores inéditos, a Visa revela que a segurança e a privacidade da utilização deste tipo de equipamentos para transacções financeiras continuam a ser uma preocupação para pelo menos metade dos utilizadores nacionais.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Francisco António Há 4 semanas

Se há coisa em que os Portugueses são dos melhores do mundo é na mania de armar ao pingarelho. Com salários mínimos, pensões baixas e analfabetismo acima dos 15% e eis que a malta morre de amores nas transações " by mobile" !

pub