Empresas Trojan Horse: Tróia volta a transformar-se este ano na Hollywood portuguesa

Trojan Horse: Tróia volta a transformar-se este ano na Hollywood portuguesa

A quinta edição do "Trojan Horse was a Unicorn" volta a ter lugar em Tróia em Setembro. O festival de animação digital já trouxe estúdios como a Disney ou a Pixar a Portugal.
Trojan Horse: Tróia volta a transformar-se este ano na Hollywood portuguesa
Pedro Elias/Negócios
André Cabrita-Mendes 16 de janeiro de 2017 às 14:41
O Trojan Horse was a Unicorn (THU) regressa a Tróia este ano. O festival que junta o mundo de animação digital em Portugal vai realizar-se de 18 a 23 de Setembro.

Esta vai ser a quinta edição do evento, que contou com 600 participantes e 70 países em 2016, depois dos 200 participantes da primeira edição.

O evento reparte-se entre palestras, aulas práticas e a feira de empregos, com esta última a ser bastante procurada pelos jovens artistas digitais.

Gigantes do entretenimento digital como a Disney ou a Pixar já passaram por Tróia nas edições anteriores com o objectivo de recrutar.

O crescimento rápido do evento provocou dores de crescimento. A saída para a Irlanda chegou a estar em cima da mesa no ano passado, mas o THU decidiu permanecer em Tróia por mais uma edição.

O evento conta com Scott Ross como embaixador. O produtor de filmes como Titanic ou Apollo 13 tem ajudado a abrir as portas dos estúdios de Hollywood ao festival português.

Um dos convidados de destaque na edição anterior foi o realizador Kevin Lima. O luso-descendente foi o responsável por filmes da Disney como Tarzan ou 102 Dálmatas.

Outros convidados de destaque em 2016 foram Doug Chiang ("Guerra das Estrelas") ou Ralph Eggleston da Pixar ("À procura de Nemo", "Monstros e companhia", "Toy story").

Em 2016, os bilhetes para o evento esgotaram no espaço de uma semana, apesar de custarem mais de 600 euros.

Tem sido um longo caminho para o THU e o seu fundador e organizador, André Lourenço. Nas primeiras edições, o festival que junta artistas do cinema, videojogos e animação foi ignorado pelas entidades oficiais. Em 2016, o problema foi superado com o apoio do Turismo de Portugal e das autarquias de Setúbal e Grândola.

O THU recebeu em 2016 as primeiras visitas por parte de governantes com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e do secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos.

No final da edição de 2015, o Trojan Horse tinha propostas de vários países para lá organizar o evento. Mas uma publicação no Facebook mudou o destino da empresa.

O organizador do evento, André Lourenço, publicou uma entrevista sua ao Negócios onde colocava a hipótese de sair de Portugal por falta de interesse das entidades oficiais.

Palavra passa palavra, a publicação foi lida pelo secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, que rapidamente lhe enviou uma mensagem na rede social. Mais tarde, o THU conseguiu reunir os apoios necessários para organizar o evento de 2016 em Tróia.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub