Turismo & Lazer 'Tuk-tuks' oferecem passeios em Lisboa em protesto contra regras municipais

'Tuk-tuks' oferecem passeios em Lisboa em protesto contra regras municipais

"Queremos agradecer aos alfacinhas a hospitalidade que tem permitido aos 'tuk-tuk' serem parte importante da promoção e da nova dinâmica turística", refere a organização do protesto.
'Tuk-tuks' oferecem passeios em Lisboa em protesto contra regras municipais
Pedro Zenkl/Correio da Manhã
Lusa 10 de fevereiro de 2017 às 18:25
A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) vai dinamizar no domingo, dia 19 de Fevereiro, a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de 'tuk-tuk'.

O objectivo da iniciativa, que pretende ser "um protesto positivo", é "chamar a atenção da população para a problemática" do Regulamento Municipal de Circulação de Veículos Afectos à Actividade de Animação Turística, já criticado pela associação.

O coordenador do Departamento de Animação Turística com Veículos Motorizados da APECATE, João Tarrana, apontou à Lusa que os protestos "costumam parar o trânsito e provocar constrangimentos, mas neste caso os operadores pretendem oferecer algo à população, para que seja uma iniciativa vista de forma positiva".

"Queremos agradecer aos alfacinhas a hospitalidade que tem permitido aos 'tuk-tuk' serem parte importante da promoção e da nova dinâmica turística", refere a organização.

Quanto à oferta que se pode esperar no domingo, o coordenador afirmou que já há "vários operadores envolvidos".

A iniciativa "Cá vai Lisboa" vai decorrer entre as 10:00 e as 17:00 nos Restauradores, Chiado (Rua Garret), Belém e alto do Parque Eduardo VII e os 'tuk-tuks' que aderirem estarão identificados com um autocolante cor de laranja no limpa para-brisas.

Em declarações à agência Lusa em Janeiro, João Tarrana apontou que o "regulamento é preocupante, não pelo que ele diz mas pelo que ele não diz", considerando que faltam algumas especificações no documento.

"Estamos a tentar que nos ouçam e ouçam os nossos problemas", continuou, precisando que o regulamento "deve ser suspenso e as pessoas devem sentar-se e falar".

Hoje, João Tarrana afirmou que a associação tem reunido com a Câmara Municipal de Lisboa e com algumas das forças políticas representadas na Assembleia Municipal, aguardando agora uma reunião com o presidente do executivo, Fernando Medina (PS).

Em meados de Janeiro, arrancou o período de consulta pública ao Regulamento Municipal respeitante à Circulação de Veículos Afectos à Actividade de Animação Turística, que durará 30 dias úteis, até 22 de Fevereiro.

Entre outras medidas, o documento estipula a obrigatoriedade de estas viaturas, entre as quais se encontram os 'tuk-tuk', serem eléctricas, o que deverá acontecer a partir de meados do ano, segundo a estimativa da Câmara Municipal.

A 20 de Novembro de 2015 entraram em vigor novas regras para veículos ligeiros, motociclos, quadriciclos, triciclos e ciclomotores de animação turística, entre os quais os minicarros 'tuk-tuk'.

Estas medidas resultaram de um despacho publicado em boletim municipal, a 29 de Outubro de 2015, prevendo a criação de 116 lugares de paragem destes veículos, bem como a proibição de passar por algumas ruas das freguesias da Estrela, Misericórdia, Santo António, Santa Maria Maior e São Vicente, onde foi colocada sinalética.

Além destas regras, foi também adoptado um novo horário de circulação, entre as 09:00 e as 21:00.

Entre outras medidas, a APECATE está a organizar um debate sobre o regulamento, que irá juntar "operadores, parceiros, condutores e vereadores".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub