Transportes Turcos da Yildirim dispostos a investir no Porto de Lisboa

Turcos da Yildirim dispostos a investir no Porto de Lisboa

"Neste momento estamos em discussão para um novo programa de investimento. Houve algumas perturbações com o anterior programa, mas acreditamos neste porto e, por isso, queremos investir", disse o presidente da Liscont.
Turcos da Yildirim dispostos a investir no Porto de Lisboa
Pedro Elias/Negócios
Lusa 14 de outubro de 2016 às 14:34
O presidente executivo do grupo Yildirim, multinacional turca que detém a Liscont, uma das empresas portuárias que opera no porto de Lisboa, disse hoje estar disponível para investir nesta infraestrutura, mas precisa de garantias de estabilidade.

"Neste momento estamos em discussão para um novo programa de investimento. Houve algumas perturbações com o anterior programa, mas acreditamos neste porto e, por isso, queremos investir", disse Christian Blauert à agência Lusa, falando à margem do debate internacional sobre 'Soluções Inovadoras na Relação Porto-Cidade', que decorreu na Gare Marítima de Alcântara, em Lisboa.

Segundo o também presidente da administração da Liscont, o factor principal para o investimento é a "estabilidade" no porto, lembrando as greves dos estivadores e o impacto que tiveram, nomeadamente na suspensão de escala de grandes armadores, como a Maersk e a Hapag-Lloyd.

"É um bom porto para investir, tem uma boa localização, Lisboa também é uma boa cidade. Estamos interessados, vemos potencial. Fizemos estudos e estamos seguros que queremos investir, mas há que ter garantias, pois os grandes armadores não vêm se tiverem no horizonte greves", sublinhou.

O movimento no Porto de Lisboa foi afectado pelo clima de conflito laboral, que originou a emissão de mais de 30 pré-avisos de greve por parte dos estivadores desde 2012.

No final de Junho deste ano foi alcançado um acordo entre os operadores do Porto de Lisboa e o Sindicato dos Estivadores, com a assinatura do contrato colectivo de trabalho que vai vigorar nos próximos seis anos.

A direcção da Comunidade Portuária de Lisboa congratulou-se, em Julho, com o acordo conseguido entre os operadores e o sindicato, avançando estarem reunidas as condições "para se poder transmitir aos armadores estrangeiros a mensagem de que podem voltar a confiar no Porto de Lisboa" e dar-lhes a conhecer as "vantagens de voltarem a escalar um porto onde existe uma promessa de paz social para os próximos anos".

A carga movimentada no Porto de Lisboa em maio caiu 47,5% face ao mês homólogo, devido à greve dos estivadores, que se prolongou até ao final do mês, segundo dados da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Em termos acumulados, nos primeiros cinco meses do ano, o Porto de Lisboa registou uma queda de 21,6% face ao período homólogo, influenciada pela quebra de 47,5% que se registou em maio.

A greve a todo o trabalho suplementar em qualquer navio ou terminal do Porto de Lisboa foi suspensa a 28 de maio, depois de os estivadores e os operadores terem chegado a um compromisso sobre o Contrato Colectivo de Trabalho.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Isto se os sindicatos o permitirem!

pub
pub
pub
pub