Turismo & Lazer Turismo de Portugal e FPF investem 320 mil euros na promoção de Portugal

Turismo de Portugal e FPF investem 320 mil euros na promoção de Portugal

O Turismo de Portugal e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vão investir 320 mil euros até 2018 em acções de promoção do país, com a primeira iniciativa marcada para a Taça das Confederações, anunciaram esta quarta-feira as duas entidades.
Turismo de Portugal e FPF investem 320 mil euros na promoção de Portugal
Correio da Manhã
Lusa 14 de junho de 2017 às 09:12
A prova, em que Portugal participa na qualidade de campeão europeu, decorre entre sábado e 2 de Julho, durante a qual as duas entidades vão dinamizar uma campanha digital e ainda várias acções junto de operadores turísticos russos, para "aumentar a notoriedade e reforçar a afinidade com o destino Portugal", aponta um comunicado conjunto das duas instituições.

O objectivo da campanha é "estimular o interesse junto dos turistas estrangeiros para conhecerem o país dos campeões europeus", destaca o documento, que elenca ainda a presença da campanha nas feiras internacionais em que o Turismo de Portugal participa e durante a fase de preparação dos compromissos da selecção portuguesa durante a caminhada para o Mundial2018, a disputar em solo russo.

A medida, inscrita no programa Estratégia Turismo 2027, aproveita o título luso no Euro2016, disputado em França no verão do ano passado, para promover o país através de um desporto "que ultrapassa fronteiras, raças ou credos", bem como a "presença além fronteiras" da selecção portuguesa, explicou o presidente do Turismo de Portugal.

Luís Araújo espera que a iniciativa 'Can't Skip Portugal' possa "elevar a fasquia, levando o nome de Portugal ainda mais longe".

"Porque juntos somos mais fortes, esta parceria, que queremos que seja duradoura, contribuirá para aumentar a nossa notoriedade nos mercados internacionais", acrescentou.

O presidente da FPF, Fernando Gomes, preferiu destacar uma "parceria global" que elevará "o nome de Portugal ainda mais alto e mais longe", reforçando a missão da selecção de "representar e dignificar" o país.

"A união de forças com o Turismo de Portugal permitirá acentuar a FPF e as selecções nacionais como marca global; acentuará a visibilidade de Portugal num contexto internacional, abrirá novos mercados turísticos, criará mais emprego e mais riqueza para o país que defendemos", acrescentou o dirigente, que realçou a "sinergia de forças" entre as duas instituições.

Araújo elogiou ainda a selecção campeã europeia, uma "embaixadora de excepção" e "promotora ímpar" que se transforma "num motivo de grande orgulho onde quer que se exiba", enquanto Gomes manifestou a "satisfação e honra" de celebrar um acordo que, disse, estava previsto no seu programa eleitoral.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
José Silva Há 6 dias

Os portugueses muito gostam de gastar dinheiro em inutilidades. Como se fosse necessário promover o pais (já apinhado de turistas e com taxa de ocupação hoteleira quase a 100%) com recurso ao "futebol".
A FPF como organismo de "utilidade publica" não tem mais onde gastar dinheiro?

Mr.Tuga Há 6 dias

Que MEDO!
Que VERGONHA!
Quando um pais se resume a seLIXOão e chutadores de boila broncos e analfabetos, para se autopromover (como fizeram os analfabrutos da ilhota da Madeira), está tudo dito!
Não admira que cá o burgo esteja cada vez mais na cauda da Europa e da OCDE...
Povão imbecilizado!

Nélson Estêvão Há 6 dias

Excelente iniciativa, não pelos números envolvidos, porque até os acho demasiado baixos, mas porque se percebe que alguns já perceberam que este é o caminho!

pub